Covid-19: Lufthansa cancela 7100 voos em março devido a quebras na procura

Maior parte dos cancelamentos são voos na Alemanha, para o norte de Itália, e para outros destinos na Europa.

A companhia aérea alemã Lufthansa vai cancelar 7.100 voos até ao final de março por causa de quebras na procura relacionadas com o surto do novo coronavírus, foi conhecido esta quinta-feira. De acordo com informação prestada pela companhia, citada pela agência Efe, a maior parte dos cancelamentos são voos na Alemanha, para o norte de Itália, e para outros destinos na Europa, bem como o já anunciado cancelamento dos voos para Israel.

Esta quinta-feira, a companhia já tinha anunciado a suspensão de todos os voos para Israel a partir de domingo, após a decisão israelita de proibir o acesso ao território de cidadãos de vários países europeus para travar o coronavírus.

A Lufthansa e as suas subsidiárias Swiss e Austrian Airlines vão aplicar esta medida de suspensão até 28 de março. As restrições anunciadas pelas autoridades israelitas incluem "viajantes da Alemanha, Suíça e Áustria a partir de 06 de março [sexta-feira], causando uma queda significativa na procura de voos para Israel", afirmou a empresa.

"Alguns voos para Telavive na sexta-feira e no sábado foram igualmente cancelados", estando os membros da tripulação também afetados pelas restrições, indicou o grupo.

Assim, no total, a Lufthansa e as suas filiais Swiss, Austrian Airlines, Brussels Airlines e Eurowings deixarão em terra 150 aviões dos 750 que têm em operação normalmente. O novo coronavírus levou já ao cancelamento de 25 voos de longo curso e 125 de médio e curto alcance.

Na Alemanha, o número de infetados chega aos 349, 175 dos quais no estado da Renânia do Norte - Vestefália, no oeste do país, de acordo com o instituto alemão Robert Koch. O surto de Covid-19, detetado em dezembro, na China, e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou cerca de 3.300 mortos e infetou mais de 95 mil pessoas em 79 países, incluindo nove em Portugal.

Das pessoas infetadas, mais de 50 mil recuperaram. Além de 3.012 mortos na China, há registo de vítimas mortais no Irão, Itália, Coreia do Sul, Japão, França, Hong Kong, Taiwan, Austrália, Tailândia, Estados Unidos da América e Filipinas, San Marino, Iraque, Suíça e Espanha.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para "muito elevado".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de