Covid-19. Pelo menos 44 pessoas morreram por consumo de álcool adulterado no Irão

Na República Islâmica do Irão, onde o consumo e a venda de álcool são proibidos, os meios de comunicação social locais noticiam regularmente intoxicações mortais com bebidas alcoólicas contrabandeadas.

Pelo menos 44 pessoas morreram intoxicadas por consumir álcool adulterado no Irão, depois de rumores de que poderia ajudar a curar o novo coronavírus, segundo um novo balanço divulgado esta terça-feira pela agência noticiosa iraniana Irna.

Na República Islâmica do Irão, onde o consumo e a venda de álcool são proibidos, os meios de comunicação social locais noticiam regularmente intoxicações mortais com bebidas alcoólicas contrabandeadas.

Segundo a agência de notícias Irna, a região com mais mortes registadas, no contexto desta série de intoxicações, é a província de Khuzestan (sudoeste) com 36 mortos - face aos 20 anunciados na segunda-feira.

Este número representa o dobro do número de vítimas mortais do novo coronavírus na mesma província (18), explica a mesma fonte.

Outras sete pessoas também morreram depois de consumirem álcool adulterado nas províncias de Alborz, vizinhas de Teerão e Kermanshah (oeste).

Na segunda-feira, a Irna, citando um responsável de um hospital local, indicou que 218 pessoas foram hospitalizadas por intoxicação em Ahvaz, capital de Khuzestan.

Os consumidores acreditam em "rumores de que o consumo de álcool pode ser eficaz no tratamento (de doenças relacionadas ao) coronavírus", escreveu a agência, citando o responsável.

No mesmo dia, o vice-procurador-geral da cidade de Ahvaz, Ali Beiranvand, também explicou que "com a propagação do Covid-19 e a diminuição da disponibilidade de etanol no mercado, alguns comerciantes tentam manipular o metanol, descolorando-o com lixívia e vendendo-o como etanol".

Ali Beiranvand, instou os jovens a "não confiarem" em certas informações divulgadas nas redes sociais que recomendam o consumo de álcool para enfrentar e até curar o novo coronavírus.

O Irão anunciou hoje que mais 54 pessoas morreram devido ao novo coronavírus, elevando o número total de mortos no país para 291 em 8.042 casos confirmados de pessoas infetadas.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.000 mortos.

Cerca de 114 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 63 mil recuperaram.

A China registou segunda-feira mais uma queda no número de novos casos de infeção, 19, face a 40 no dia anterior, somando agora um total de 80.754 infetados e 3.136 mortos, na China Continental.

Portugal regista 41 casos confirmados de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

A DGS comunicou também que em Portugal se atingiu um total de 375 casos suspeitos desde o início da epidemia, 83 dos quais ainda a aguardar resultados laboratoriais.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de