"De momento, as coisas estão bem." Governo acompanha situação em Hong Kong

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, garante que não tem havido "queixas ou observações por parte de cidadãos portugueses".

O Governo português indicou esta sexta-feira estar a acompanhar "com especial atenção" a onda de protestos em Hong Kong, desde logo por temer que as tensões cheguem a Macau, e adiantou não haver, para já, cidadãos nacionais afetados.

"Estamos a acompanhar [a situação] com especial atenção, sem dúvida, até porque tudo o que queremos que não aconteça é que haja um 'spill-over' [alastrar desta situação] a Macau", disse à agência Lusa a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, falando no final da reunião informal dos chefes da diplomacia da União Europeia (UE), em Helsínquia, no âmbito da presidência comunitária finlandesa.

A governante acrescentou que, "de momento, as coisas estão bem" neste aspeto, recordando que "o novo chefe do executivo de Macau acabou de ser designado".

Além disso, "não temos tido queixas ou observações por parte de cidadãos portugueses", apontou.

"É um tema que temos de continuar a acompanhar e que esperemos que haja um diminuir de tensões e que isso se consiga pelo diálogo, que é o papel da UE", sublinhou Ana Paula Zacarias.

Este tema foi abordado na reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União, que decorreu em Helsínquia, e na qual Portugal esteve representado pela secretária de Estado dos Assuntos Europeus.

Segundo Ana Paula Zacarias, foi o próprio ministro britânico, Dominic Raab, a falar na situação, referindo que o Reino Unido está "muito empenhado em acompanhar a situação".

Também esta sexta-feira, a chefe da diplomacia europeia afirmou que a situação em Hong Kong "é extremamente preocupante" para a UE, e apelou às autoridades que respeitem a liberdade de expressão e as manifestações pacíficas.

"Os desenvolvimentos em Hong Kong, especialmente os das últimas horas, são extremamente preocupantes. Nós esperamos que as autoridades de Hong Kong respeitam a liberdade de expressão coletiva, assim como o direito de as pessoas se manifestarem pacificamente", vincou a Alta Representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini.

Falando em conferência de imprensa à margem da reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, a responsável notou que a União irá "continuar a acompanhar muito de perto" a situação.

"Não só ao nível da UE, como também em coordenação com os Estados-membros, sobretudo no que toca aos direitos dos cidadãos europeus e aos interesses da União em Hong Kong", precisou Federica Mogherini.

A chefe da diplomacia europeia adiantou que, "nas últimas semanas, os Estados-membros mostraram uma grande união sobre este caso". "E vamos, de forma privada ou publicamente, continuar a passar a mensagem e a trabalhar para que este caso tome um rumo correto", concluiu.

Os protestos em Hong Kong duram quase há mais de três meses.

Os manifestantes exigem agora a retirada definitiva da lei da extradição, a libertação dos protestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial, a demissão da chefe de governo Carrie Lam e sufrágio universal nas eleições para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de