Democratas escolheram promotores para julgamento político de Trump

O Presidente norte-americano deverá ser julgado politicamente no Senado, provavelmente já nos próximos dias.

A líder Democrata da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, anunciou esta quarta-feira que os promotores do julgamento político no Senado do Presidente dos EUA serão dois presidentes de comités do Congresso, Adam Shiff e Jerry Nadler, e cinco outros parlamentares.

O Presidente Donald Trump deverá ser julgado politicamente no Senado, provavelmente já nos próximos dias, no âmbito do processo de destituição em que é acusado de abuso de poder e obstrução ao Congresso, depois de ter pressionado o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, a investigar a família de Joe Biden, eventual adversário político nas eleições presidenciais de novembro próximo.

A maioria Democrata na Câmara de Representantes aprovou dois artigos de destituição que serão votados no Senado, onde uma maioria de 2/3 (improvável pela maioria Republicana na câmara alta do Congresso) poderá demitir o Presidente.

Para representarem a acusação no julgamento político, os Democratas escolheram esta quarta-feira Adam Schiff, presidente do Comité de Inteligência, e Jerry Nadler, presidente do Comité Judiciário, os dois organismos da Câmara de Representantes que conduziram o inquérito para destituição na sua fase inicial, acompanhados de outros cinco deputados: Zoe Lofgren, da Califórnia; Hakeem Jeffries, de Nova Iorque; Val Demings, da Florida; Jason Crow, do Colorado; e Sylvia Garcia, do Texas.

A Câmara de Representantes aprovou os dois artigos de destituição em 18 de dezembro e vota hoje o seu envio para o Senado, com os Democratas a garantirem que a sua maioria aprovará o início do julgamento político.

De seguida, no Senado, onde impera uma maioria Republicana, terão de ser votadas resoluções sobre a presença de novas testemunhas durante a fase de julgamento político, depois de terem sido ouvidas 18 pessoas, durante o inquérito na Câmara de Representantes.

Os Democratas estão a tentar obter o apoio de alguns senadores Republicanos para conseguirem os quatro votos (a maioria Republicana é de 53 senadores contra 47, numa câmara de 100) necessários para convocar novas testemunhas.

Entre elas deverá estar o ex-conselheiro de segurança nacional John Bolton e o chefe de gabinete de Donald Trump, Mick Mulvaney, que os Democratas não conseguiram ouvir nos dois comités da Câmara de Representantes, devido às resistências da Casa Branca.

Contudo, os Republicanos não se deverão opor ao julgamento político e esta quarta-feira o líder Republicano do Senado, Mitch McConnell, disse mesmo que a sua bancada "sente a obrigação de ouvir os argumentos" dos promotores, no julgamento político Donald Trump.

Contudo, há consenso entre os senadores Republicanos de que os Democratas não possuem provas que levem à demissão do Presidente, alinhando com a tese de Donald Trump de que tudo não passa de uma "caça às bruxas" destinada a fragilizar a campanha presidencial para a reeleição do Presidente.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de