Depois do Idai, Moçambique aguarda com "medo" e "cansaço" a tempestade Chalane

A meteorologia em Moçambique vai atualizar, durante esta segunda-feira, a informação sobre a tempestade tropical.

O medo está de regresso à Beira, em Moçambique. Esta terça e quarta-feira, a região vai ser tocada pela tempestade tropical Chalane, cerca de um ano depois da devastação provocada pelo ciclone Idai. Nas últimas horas, a fúria dos ventos passou por Madagáscar e pode ganhar força, tornando-se num novo ciclone.

A partir da Beira, o jornalista Artur Ricardo conta que a população está assustada. "As pessoas estão com medo, mas ainda não estão em pânico. É difícil não se lembrar do Idai. As imagens que nós temos gravadas são do Idai. Sempre que a gente ouve falar desse fenómeno, a gente lembra-se do Idai, mas ainda ninguém está em pânico", adianta à TSF.

Hoje, a Beira está mais preparada e informada sobre os efeitos de um ciclone. Artur Ricardo já tomou medidas de prevenção: "Eu acho que agora consigo encontrar meios para impedir que a água entre em casa, improvisando uns sacos com areia. São coisas simples que podemos fazer, que parecem pequenas, mas que são grandes. Em função daquilo que nós aprendemos, hoje já podemos precaver-nos melhor."

A meteorologia em Moçambique vai atualizar, durante esta segunda-feira, a informação sobre a tempestade tropical. Os Médicos com África também já tomaram medidas. A coordenadora Giovanna de Meneghi adianta que já foi ativado o plano de contingência e considera que um novo ciclone seria um golpe muito forte num país demasiado cansado.

"É uma fadiga, porque temos de lembrar que Moçambique, no ano passado, viveu dois ciclones, à distância de um mês e meio, depois chegou o coronavírus, depois temos uma situação intensa de insurgências em Cabo Delgado. O país está debaixo de um stress forte e a população toda está bem cansada. Neste momento, Moçambique inteiro está cansado", sustenta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de