Deputados e senadores franceses concordam em proibir "terapia de conversão" sexual

Em 2019, foram denunciadas "centenas de casos". Face ao aumento de denúncias, vários países já proibiram este crime, que agora é punido em França com pena de prisão de dois anos e multa de 30 mil euros.

Deputados e senadores franceses concordaram com a elaboração conjunta de um projeto-lei para proibir a "terapia de conversão", destinada a impor a heterossexualidade a lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT), de acordo com fontes parlamentares.

A proposta da deputada Laurence Vanceunebrock (La République en marche, LREM) visa fortalecer a resposta penal contra "esses atos de outra era", segundo o presidente do grupo parlamentar do LREM, Christophe Castaner.

A comissão que reúne deputados e senadores promulgou a criação de um delito específico para confundir mais facilmente os autores das terapias de conversão.

Este crime é punido com pena de prisão de dois anos e multa de 30 mil euros. As penas podem ascender a três anos de prisão e multa de 45 mil euros, em caso de circunstâncias agravantes.

As terapias de conversão já são puníveis, mas por vezes são "difíceis de confiscar", sublinhou o LREM, em comunicado.

Se o texto havia sido objeto de uma votação unânime no Parlamento francês, a 6 de outubro, não aconteceu o mesmo no Senado, onde o projeto recebeu votos contra.

Todos os 28 senadores do partido "Les Républicains" ("Os Republicanos", em português) votaram contra, face aos 305 votos a favor.

Não há um estudo em França para avaliar a evolução do fenómeno da terapia de conversão.

Durante uma missão parlamentar em 2019, Laurence Vanceunebrock e o membro da esquerda radical Bastien Lachaud indicaram "uma centena de casos", estando alarmados com "o aumento das denúncias".

Na Europa, Malta, Alemanha e várias províncias de Espanha já proibiram essas práticas.

Por sua vez, um projeto-lei foi aprovado a 1 de dezembro pela câmara baixa do Parlamento do Canadá. E no Reino Unido, um projeto-lei encontra-se atualmente em consulta pública.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de