Descoberto fóssil de crânio de antepassado do Homem com 3,8 milhões de anos

O fóssil foi descoberto em fevereiro de 2016 na região de Afar, na Etiópia.

Investigadores descobriram na Etiópia um fóssil de um crânio de um antepassado do Homem com 3,8 milhões de anos, mais antigo do que o popular fóssil "Lucy", encontrado na década de 1970 no mesmo local.

O crânio completo fossilizado dá novas informações sobre a morfologia crânio-encefálica do 'Australopithecus anamensis', a espécie de hominídeo do género dos australopitecos ('Australopithecus') mais antiga, que vinha sendo datada entre 4,2 e 3,9 milhões de anos.

A equipa de especialistas que analisou o fóssil, descoberto em fevereiro de 2016 na região de Afar, na Etiópia, admite que o 'Australopithecus anamensis' terá coexistido durante cerca de 100 mil anos com uma outra espécie de australopiteco, que a sucedeu, a 'Australopithecus afarensis', da qual foi encontrado em 1974, na mesma região, o fóssil "Lucy", com 3,2 milhões de anos.

Ambos os fósseis foram descobertos por peritos do Museu de História Natural de Cleveland, nos Estados Unidos, que divulga em comunicado os resultados do estudo do fóssil do crânio, também publicados na revista científica Nature.

Segundo o comunicado do museu, o crânio fossilizado, o primeiro da espécie 'Australopithecus anamensis' descoberto, está datado no intervalo de tempo entre 4,1 e 3,6 milhões de anos, em que os fósseis dos antepassados humanos são "extremamente raros", especialmente fora da jazida paleontológica de Woranso-Mille, na região etíope de Afar.

A idade do fóssil do crânio do 'Australopithecus anamensis' - 3,8 milhões de anos - foi calculada por uma equipa da universidade norte-americana Case Western Reserve, em Cleveland, que datou os minerais das camadas rochosas vulcânicas nas proximidades do local onde o fóssil foi encontrado.

O crânio fossilizado partilha características com a espécie 'Australopithecus afarensis', mas também com outras mais antigas, como as dos géneros de hominídeos 'Sahelanthropus' e 'Ardipithecus'.

O fóssil tem traços distintos em relação a um fragmento de um crânio fossilizado que foi descoberto em 1981 no sítio paleontológico de Belohdelie, igualmente da região etíope de Afar, e que os especialistas datam de 3,9 milhões de anos e como pertencendo à mesma espécie de "Lucy".

Tal significa, segundo os autores do estudo, que o 'Australopithecus anamensis' terá coexistido cerca de 100 mil anos com o 'Australopithecus afarensis'.

De acordo com uma das coautoras da investigação, Naomi Levi, da Universidade de Michigan, também nos Estados Unidos, o antepassado de "Lucy" terá vivido perto de um grande lago que estava a maioria das vezes seco.

"Estamos ávidos por realizar mais pesquisas sobre estes depósitos para compreender as condições ambientais do espécime de 'Australopithecus anamensis', a relação com as alterações climáticas e de que forma ou não afetaram a evolução humana", afirmou, citada no mesmo comunicado.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados