Detida suspeita de enviar envelope com ricina para a Casa Branca

A substância de origem vegetal é letal e foi enviada para a Casa Branca com Donald Trump como destinatário.

Uma mulher foi acusada de enviar um envelope que continha ricina para a Casa Branca, em Washington, que também continua uma carta endereçada ao Presidente, o republicano Donald Trump, a exigir-lhe que desista da corrida eleitoral.

De acordo com informações judiciais recolhidas pela Associated Press (AP), Pascale Ferrier foi detida no domingo na fronteira entre Nova Iorque o Canadá.

A suspeita foi presente ao primeiro interrogatório judicial durante a tarde desta terça-feira, em Buffalo, Nova Iorque.

O FBI também descobriu mais seis cartas, com conteúdo semelhante à enviada a Trump, no Texas, durante este mês, endereçadas a pessoas que estavam ligadas à mulher quando esteve detida, em 2019.

Um envelope alegadamente contendo ricina, uma substância de origem vegetal que é letal, foi enviada para a Casa Branca, em Washington, e as autoridades federais estão a tentar encontrar o remetente.

A notícia foi avançada pelo diário norte-americano The New York Times.

O diário norte-americano recorda ainda que, em 2011, quatro homens da Geórgia foram detidos por terem espalhado esta toxina simultaneamente em cinco cidades dos Estados Unidos.

Nesse ano, responsáveis de contraterrorismo norte-americanos revelaram que a Al-Qaeda estaria a planear ataques contra o país recorrendo à ricina.

Dois anos mais tarde, um homem do Mississípi foi detido por ter enviado cartas com ricina ao então Presidente, Barack Obama.

Em 2014, a atriz Shannon Richardson foi condenada a 18 anos de prisão por também ter enviado cartas, em maio de 2013, a Obama e o autarca de Nova Iorque, Michael Bloomberg, com a mesma substância.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de