Dez mil crimes em dois meses em Angola. Assaltos em Luanda preocupam autoridades

Durante agosto e setembro, foram detidas 7307 pessoas, suspeitas da prática de diversos crimes.

Angola registou, entre agosto e setembro, 10.788 crimes, informou esta terça-feira a Polícia Nacional, que se mostrou preocupada com o número crescente de assaltos na capital, Luanda.

Na apresentação da situação de segurança pública dos últimos 60 dias no país, o porta-voz da Polícia Nacional de Angola, comissário Orlando Bernardo, admitiu que a província de Luanda tem registado um conjunto de assaltos à mão armada "em plena luz do dia", causando uma sensação de insegurança entre os cidadãos.

Orlando Bernardo disse que a polícia tem noção do problema da criminalidade no país e admitiu que "é preciso resolver a situação".

Segundo Orlando Bernardo, os vídeos relativos a, pelo menos, cinco assaltos à mão armada durante o dia, em Luanda, divulgados nas redes sociais, "trouxeram consigo um sentimento de insegurança muito grande aos cidadãos".

"E concomitantemente despertou a necessidade de acelerar os procedimentos de resposta policial, no quadro da prevenção, investigação e instrução, de modo a devolver um sentimento de cobertura policial para a segurança pública", reconheceu.

No total do país, foram esclarecidos 6.694 crimes dos dez mil casos registados em agosto e setembro, tendo sido detidas 7.307 pessoas, por suspeita da prática de diversos crimes.

Os dados divulgados indicam que os crimes violentos representam 27% (2.889) do total geral, nomeadamente homicídios, roubos e agressão sexual, sendo os crimes que mais aumentam as estatísticas criminais os furtos e ofensas à integridade física, representando 46% (4.992) do total, e ocorrem maioritariamente em zonas que escapam à vigilância policial, ou seja, em residências.

Orlando Bernardo salientou que a maioria dos crimes divulgados nas redes sociais foram esclarecidos, com os suspeitos detidos, frisando que chamou a atenção a forma como os crimes tinham sido cometidos, com características diferentes às habituais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de