Discurso de Zelensky aplaudido de pé na Assembleia-Geral da ONU

Maioria das missões diplomáticas não ficou indiferente às palavras do líder ucraniano.

O discurso do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na 77.ª Assembleia-Geral da ONU foi aplaudido de pé na quarta-feira por dezenas de delegações internacionais que assistiam ao pronunciamento, numa nova manifestação coletiva de apoio ao país.

Apesar de o seu discurso ter sido gravado e transmitido virtualmente na Assembleia-Geral, a maioria das missões diplomáticas, juntamente com chefes de Governo e de Estado de todo o mundo, não ficou indiferente às palavras do líder ucraniano e aplaudiram as suas palavras.

Quem não se levantou, nem aplaudiu o discurso do Presidente da Ucrânia foi, sem surpresa, a delegação russa, que assistiu ao momento de semblante fechado.

No seu pronunciamento, Volodymyr Zelensky afirmou que a decisão russa de mobilizar cerca de 300.000 reservistas demonstra que Moscovo está longe de pensar em negociações para pôr fim aos quase sete meses de guerra, mas insistiu que a Ucrânia irá sair vencedora na guerra.

"Eles [russos] falam sobre negociações, mas anunciam uma mobilização militar. Eles falam sobre as negociações, mas anunciam pseudo-referendos nos territórios ocupados da Ucrânia", disse.

"A Rússia quer guerra. É verdade. Mas a Rússia não será capaz de parar o curso da história", disse Zelensky, acrescentando que "a humanidade e a lei internacional são mais fortes" do que o que considerou ser um "Estado terrorista".

A Rússia ainda não falou na Assembleia Geral da ONU, estando previsto que o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, discurse no próximo sábado.

O discurso de Zelensky foi marcante não apenas pelo conteúdo, mas também pelo contexto. Aconteceu após o anúncio da mobilização anunciada por Putin.

Por outro lado, foi a primeira vez que o Presidente ucraniano, trajando a habitual camisola verde, se dirigiu aos líderes mundiais desde a invasão da Rússia em fevereiro.

Zelensky defendeu que Moscovo esta a preparar as suas tropas para uma nova invasão no inverno e a preparar fortificações enquanto mobiliza mais tropas no maior conflito militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Estabelecendo várias "pré-condições para a paz" na Ucrânia, que às vezes chegam a prescrições mais amplas para melhorar a ordem global, o Presidente ucraniano pediu aos líderes mundiais que retirem à Rússia o voto nas instituições internacionais, bem como o poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, argumentando com o facto de os "agressores precisam ser punidos e isolados".

Apesar de Zelensky não ter comparecido presencialmente a este importante evento das Nações Unidas em Nova Iorque, a primeira-dama ucraniana, Olena Zelenska, assistiu à transmissão do discurso na Assembleia-Geral, o qual também recebeu com aplausos.

Olena Zelenska, juntamente com o primeiro-ministro da Ucrânia, Denys Shmygal, foram recebidos na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, com quem abordaram o impacto da guerra na situação humanitária, direitos humanos e a segurança nuclear no país.

A semana de alto nível da Assembleia Geral das Nações Unidas começou na terça-feira, na sede da ONU em Nova Iorque, e irá prolongar-se até à próxima segunda-feira, com a presença de dezenas de chefes de Estado e de Governo, entre eles o primeiro-ministro português, António Costa.

Esta é a primeira Assembleia Geral desde o início da guerra na Ucrânia e a primeira em formato presencial desde o início da pandemia.

O evento decorre sob o tema "Um momento divisor de águas: soluções transformadoras para desafios interligados", e terá como foco a guerra na Ucrânia e as crises globais a nível alimentar, climático e energético.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de