Duzentas mil pessoas sem água devido à erupção do Nyiragongo na República Democrática do Congo

A lava expelida destruiu as casas de pelo menos 21 mil pessoas, derreteu as principais condutas de água da cidade e um reservatório de cinco mil metros cúbicos, expondo milhares de habitantes a doenças transmitidas pela água.

Pelo menos 200.000 pessoas, incluindo 100.000 crianças, continuam sem acesso a água corrente em Goma, no nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo), em consequência da recente erupção do vulcão Nyiragongo, advertiu esta terça-feira a Unicef.

A lava libertada durante a erupção, a 22 de maio, causou 32 mortes, e destruiu, segundo a União Europeia, as casas de pelo menos 21 mil pessoas, derreteu as principais condutas de água da cidade e um reservatório de cinco mil metros cúbicos, expondo milhares de habitantes a doenças transmitidas pela água.

"A cólera é particularmente perigosa para os jovens, os idosos e os subnutridos, pelo que um surto pode ter consequências desastrosas para as crianças", alertou Hye Sung, especialista em situação de emergência do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), numa declaração divulgada esta terça-feira.

Duas semanas após a catástrofe natural, o número de distritos da cidade sem abastecimento de água foi reduzido de 12 para quatro, graças à instalação de uma válvula de desvio, e espera-se que apenas dois fiquem sem água quando uma segunda válvula for instalada no final desta semana.

Dos 450 mil congoleses deslocados pela erupção e atividade sísmica do Nyiragongo, mais de 160 mil já tinham regressado a Goma a 2 de junho, segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Esta segunda-feira, o primeiro-ministro congolês, Jean-Michel Sama Lukonde, anunciou o regresso gradual de milhares de pessoas deslocadas, para as quais "um hospital militar móvel bem equipado, capaz de prestar cuidados de apoio às estruturas de saúde existentes" será colocado à disposição.

No domingo, o diretor do Observatório Vulcanológico de Goma, Celestin Kasereka Mahinda, disse em declarações à agência Efe que "não há risco, por enquanto" de o Nyiragongo voltar a entrar em erupção, mas os especialistas continuam a "acompanhar de perto a situação".

O Nyiragongo, um dos vulcões mais ativos do mundo, entrou em erupção inesperadamente a 22 de maio, após meses sem supervisão científica por parte do Observatório devido à falta de fundos, e devastou a periferia de Goma, capital da província do Kivu Norte, localizada a pouco mais de dez quilómetros do vulcão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de