Emirates passa a voar apenas para 13 destinos

A transportadora aérea decidiu suspender todos os voos, mas voltou atrás na decisão depois de receber pedidos para repatriar viajantes.

A companhia aérea Emirates esclareceu este domingo que vai continuar a voar para 13 destinos, depois de o presidente e diretor executivo ter dito que a empresa iria suspender todos os voos de passageiros devido à Covid-19.

De acordo com a agência noticiosa Associated Press (AP), a Emirates anunciou que entre os destinos para onde continuará a voar estão os Estados Unidos da América, o Reino Unido, o Japão, a Austrália e o Canadá.

A transportadora aérea sediada no Dubai justifica a decisão revelando que recebeu pedidos de governos e clientes para ajudar no repatriamento de viajantes.

O presidente e diretor executivo da Emirates tinha anunciado que a companhia se encontrava numa situação em que não podia operar, "de forma viável, voos com passageiros até que os países voltem a abrir as suas fronteiras e a confiança nas viagens regresse".

Citado pela AP, o xeque Ahmed bin Saeed Al Maktoum assinalou que "o mundo está, literalmente, de quarentena devido à pandemia de Covid-19".

"Esta é uma crise sem precedentes em termos de amplitude e escala: geograficamente, bem como dos pontos de vista da saúde, social e económico", salientou.

No sabádo, a maior companhia aérea do Médio Oriente, que opera habitualmente em 159 destinos, anunciou a supressão de 111 rotas, no quadro de medidas restritivas para combater a pandemia da Covid-19.

Em comunicado, a Emirates dava conta de que o período de suspensão iria variar de um a três meses consoante os destinos, mas que ligações como Paris (França), Frankfurt (Alemanha), ou Islamabad (Paquistão) seriam afetadas "até nova informação".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 308 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 13.400 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a ser o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 4825 mortos em 53.578 casos. Segundo as autoridades italianas, 6062 dos infetados já estão curados.

Outras Notícias

Patrocinado

Apoio de

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de