Envio de tanques. "Soma das pequenas contribuições pode dar capacidade interessante às forças ucranianas"

O major-general Arnaut Moreira estima que os vários países forneçam, cada um, cerca de 14 carros de combate Leopard 2 à Ucrânia.

A Alemanha autorizou o envio de carros de combate Leopard 2 de fabrico alemão para os militares ucranianos combaterem a invasão russa e aprovou os pedidos de outros países no mesmo sentido, de acordo com um porta-voz do executivo de Berlim.

"Esta decisão segue a nossa linha conhecida de apoiar a Ucrânia da melhor maneira possível. Atuamos internacionalmente de maneira altamente coordenada", declarou o chanceler alemão, Olaf Scholz, citado pelo seu porta-voz, Steffen Hebestreit.

Para o major-general Arnaut Moreira, a decisão do governo alemão é resultado de muitas negociações.

"Certamente que durante estes dias, para além do fogo-de-artifício que se foi fazendo através de um conjunto de declarações, parece-me que tocaram muitos telefones e houve muitas reuniões à porta fechada, em ambientes mais reservados, que permitiram avançar para um tipo de solução que desbloqueasse este problema", aponta, em declarações à TSF. "E essa solução pode, inclusive, passar pelo fim da resistência americana, também, em contribuir com carros de combate M1 Abrams."

O investigador de geopolítica e geoestratégia diz que a decisão da Alemanha era natural, até porque o ocidente já enviou o que podia em termos militares.

"Nós também já não temos muitos outros materiais de menor capacidade tecnológica para fornecer. Nós, Ocidente alargado, já fomos fornecendo a Ucrânia material desde o início de 2020, e, portanto, a certa altura já não temos mais material disponível sem aumentarmos o patamar tecnológico. Foi isso que agora se fez."

Apesar de cada país não disponibilizar muitos tanques, "a soma das pequenas contribuições pode dar uma capacidade interessante às forças ucranianas", aponta o major-general Arnaut Moreira.

Outros países aliados da Ucrânia estão prontos a acompanhar esta decisão, incluindo Portugal. Arnaut Moreira estima que os países forneçam, cada um, cerca de 14 carros de combate Leopard 2 e avisa que vai ser preciso tempo até que estejam operacionais.

"É necessário tempo para treinar e fazer chegar estes carros de combate às operações, porque provavelmente alguns destes carros de combate que vão ser oferecidos pelos vários países não estão ainda em condições de serem entregues e começarem a operar."

Os treinos deverão ocorrer em bases militares no ocidente, aponta.

Notícia atualizada às 11h14

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de