Eram dois, mas já são mais de 80. Hipopótamos de Pablo Escobar são esterilizados na Colômbia

Segundo os especialistas e ambientalistas, estes animais são uma espécie invasora que pode representar uma ameaça para o ecossistema local.

Pablo Escobar foi morto a tiro pela polícia, em 1993, mas deixou um legado de hipopótamos, importados ilegalmente e colocados num zoo particular. O colombiano era reconhecido internacionalmente como um dos maiores magnatas do mundo das drogas e, por isso, os animais foram apelidados de "hipopótamos da cocaína". Inicialmente eram apenas dois - um macho e uma fêmea -, mas agora já são mais de 80 e estão a ser esterilizados.

De acordo com a BBC News, o governo colombiano já esterilizou 24 dos mais de 80 animais, com um produto químico que os tornará inférteis.

A população de hipopótamos tem vindo a crescer e a tomar conta do campo próximo à Hacienda Nápoles, uma propriedade de luxo de Escobar, situada a cerca de 250 quilómetros a noroeste de Bogotá. Quando as autoridades apreenderam esta fazenda, em 1993, a maioria dos animais foi distribuída pelos jardins zoológicos de todo o país, à exceção dos hipopótamos, por serem, segundo a bióloga colombiana Nataly Castelblanco, "logisticamente difíceis de transportar".

Devido à falta de predadores naturais na América do Sul, os animais multiplicaram-se e começaram a espalhar-se pelo rio Magdalena, uma das principais vias navegáveis da Colômbia.

Ambientalistas locais consideram que os hipopótamos são uma espécie invasora e afastam a fauna local, tendo feito campanhas para que os animais fossem sacrificados ou esterilizados.

Segundo os especialistas, estes animais podem afetar o ecossistema local, através não só do deslocamento de espécies nativas ameaçadas de extinção, como o peixe-boi, mas também da alteração da composição química dos cursos de água. Há, contudo, outros estudos que indicam que os hipopótamos também podem ser benéficos para o meio ambiente.

Pablo Escobar, um dos maiores criminosos sul-americanos e também considerado como um dos homens mais ricos do mundo, foi o fundador do cartel de drogas de Medellín, na década de 1980, tendo sido igualmente responsável por sequestros, bombardeios e assassinatos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de