Éric Zemmour, candidato da extrema-direita francesa, condenado por incitação ao ódio

O candidato presidencial vai ter de pagar uma multa de 10 mil euros pelas declarações sobre migrantes menores desacompanhados a quem classificou de "ladrões", "assassinos" e "violadores" na televisão.

O candidato da extrema-direita às eleições presidenciais francesas Éric Zemmour foi hoje condenado em Paris a uma multa de 10.000 euros por incitação ao ódio, pelas suas afirmações sobre migrantes menores desacompanhados.

Ausente da leitura da sentença, como do julgamento, em novembro, o candidato presidencial, caracterizado como um "habitué" das ações judiciais, foi julgado pelo tribunal criminal por ter qualificado os migrantes menores desacompanhados como "ladrões", "assassinos" e "violadores" na televisão.

Aquele a quem as mais recentes sondagens atribuem o quarto lugar na primeira volta das presidenciais em abril (com cerca de 13% dos votos) criticou esta condenação, classificando-a como "ideológica e estúpida", e vai recorrer da sentença, anunciou o seu advogado, Olivier Pardo.

"Primeiro, porque na maioria das vezes, ganhamos os recursos", justificou Pardo, e depois porque o tribunal criminal de Paris "distorceu a acusação" ao considerar que as afirmações de Zemmour "atentavam contra os imigrantes", quando elas visavam os migrantes menores desacompanhados.

As polémicas declarações de Éric Zemmour, de 63 anos, valeram-lhe na última década cerca de 15 processos judiciais por insulto racial, incitação ao ódio e acusação de crime contra a humanidade.

Várias vezes absolvido, foi condenado duas vezes por incitação ao ódio.

Desta vez, foi processado por afirmações proferidas a 29 de setembro de 2020, durante um debate no programa "Face à l'info", no canal televisivo CNews, após um ataque em frente às antigas instalações do jornal satírico Charlie Hebdo.

"Eles não têm nada que estar aqui, são ladrões, são assassinos, são violadores, é tudo o que são, é preciso deportá-los e era mesmo melhor que não viessem", sustentou, sobre migrantes menores desacompanhados.

"Afirmações desprezíveis, ultrajantes" que mostram "uma rejeição violenta" e "ódio" à população imigrante e que ultrapassaram "os limites da liberdade de expressão", argumentou a procuradora do ministério público no julgamento em novembro.

"Não há um pingo de racismo em Éric Zemmour", que apenas diz "a verdade", às vezes de "forma brutal, com as suas palavras", retorquiu o seu advogado, referindo tratar-se de "uma posição política".

Tinha pedido a absolvição, considerando que a acusação de incitação ao ódio racial não tinha fundamento, porque "os menores desacompanhados não são nem uma raça, nem uma nação, nem uma etnia".

O tribunal também condenou o diretor de informação da CNews, julgado juntamente com Éric Zemmour, como é habitual em casos envolvendo a comunicação social, a uma multa de 3.000 euros.

Cerca de 30 associações constituíram-se como partes civis nesta ação judicial, entre as quais SOS Racismo, Liga dos Direitos Humanos (LDH) e Licra, bem como cerca de 20 organismos governamentais -- estando os menores desacompanhados a cargo da Ajuda Social à Infância (ASE).

Arié Alimi, advogado da LDH, saudou à imprensa o que descreveu como "uma decisão importante".

"Por detrás deste projeto mediático, há um projeto político: é um projeto de ódio, um projeto que tende a estigmatizar as pessoas em função da sua origem, em função da sua religião, da sua raça", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de