EUA e Turquia acordam cessar-fogo temporário no nordeste da Síria

Milícias curdas têm 120 horas para se retirarem do raio de 32 quilómetros que a Turquia quer estabelecer como "zona segura".

A Turquia aceitou cessar-fogo no nordeste da Síria por cinco dias. O acordo foi anunciado pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e permite que as milícias curdas possam retirar-se do território.

"Hoje, os Estados Unidos e a Turquia acordaram um cessar-fogo na Síria", disse Pence em conferência de imprensa, citado pela Reuters, depois de quatro horas de negociações no palácio presidencial de Ancara.

Pence tinha voado para a Turquia com o objetivo de parar a operação militar transfronteiriça, chamada operação Fonte da Paz, com a qual a Turquia procurava libertar um raio de 32 quilómetros do poder das Forças Democráticas Sírias, antigos aliados da coligação ocidental, criando uma "zona segura".

"O lado turco vai pausar a operação Fonte da Paz de forma a permitir a retirada das forças curdas da zona segura por 120 horas", disse Pence. "Todas as operações militares vão ser pausadas e a operação Fonte da Paz vai ser totalmente interrompida no fim da retirada", explicou.

O presidente turco, Erdogan faz saber que não se pode falar em cessar-fogo, porque tal só é possivel entre duas entidades legítimas, o que não é o caso das milícias curdas. A Turquia prefere falar numa pausa nos confrontos para que os "terroristas curdos" se retirem da fronteira.

"Com a implementação do cessar-fogo, os EUA não vão aplicar mais sanções à Turquia", disse Pence em Ancara. "O Presidente deciciu retirar as sanções económicas" assim que a operação terminar, completou.

O objetivo da operação militar desencadeada em 9 de outubro consiste em criar uma "zona de segurança" de 32 quilómetros de profundidade e 480 quilómetros de comprimento ao longo da fronteira entre a Turquia e Síria para manter as Unidades de Proteção Popular (YPG, as milícias curdas que Ancara considera "terroristas") à distância e repatriar parte dos 3,6 milhões de refugiados sírios que atualmente vivem no território turco.

A ofensiva turca surgiu após o anúncio de Donald Trump de que as tropas dos Estados Unidos iam abandonar a zona em causa.

A ofensiva de Ancara abriu uma nova frente na guerra da Síria que já causou mais de 370.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados desde que foi desencadeada em 2011.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados