Eurogrupo discute subida dos preços da energia

Eurogrupo considera que o aumento do preço da energia pode "atrasar recuperação económica".

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se esta tarde no Luxemburgo, para discutir a recente escalada dos preços da energia, e analisar em que medida se trata de um fenómeno "temporário ou permanente".

"Nos últimos meses, os preços da energia aceleraram acentuadamente em toda a área do euro e estão a agravar a inflação", lê-se num documento de trabalho do Eurogrupo, consultado pela TSF. "A recuperação do colapso dos preços da energia na primavera de 2020 foi fundamental para isso, mas os novos desenvolvimentos também desempenham um papel importante, incluindo os preços do gás, que aumentaram acentuadamente com o decorrer do ano", prossegue o texto.

Na reunião desta tarde, cada um dos ministros apresentará uma perspetiva política sobre os últimos desenvolvimentos que, para o Eurogrupo "têm o potencial para atrasar a recuperação económica na zona euro".

Os governantes vão discutir qual a abordagem política que considerariam mais equilibrada, para por um lado permitir a atuação da dinâmica atual do mercado de energia, e por outro, um envolvimento mais ativo dos governos.

Num documento de trabalho consultado pela TSF, o Eurogrupo salienta que preços da energia são um fator determinante da inflação e um dos custos mais importantes para as famílias e empresas.

Há o risco de um impacto desproporcionado nas famílias com salários mais baixos e nos mais velhos.

"Uma questão importante é até que ponto os movimentos recentes dos preços da energia são permanentes ou transitórios", refere o texto, salientando que, no primeiro caso, haja "maiores implicações para o crescimento e a inflação, dado o potencial de preços mais altos da energia afetarem as cadeias de abastecimento, as margens de lucro e a probabilidade de transferência para os preços ao consumidor e o processo de concertação social para negociação de salários".

Durante os trabalhos preparatórios da reunião considerou-se que a situação atual aponta para a necessidade de mais investimentos em fontes de energia renováveis, à medida que as economias forem abandonando os combustíveis fósseis.

Com os orçamentos nacionais em fase de conclusão, o Eurogrupo quer saber quais as implicações macroeconómicas e orçamentais da recente escalada dos preços da energia.

O tema vai também estar em debate esta semana, na sessão plenária de Estrasburgo, com o objetivo de discutir que meios estão ao alcance a nível europeu e a nível nacional, para enfrentar a subida dos preços da energia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de