Exploração "sem escrúpulos" dos migrantes. Berlim apoia novas sanções de Bruxelas contra Lukachenko

Milhares de migrantes desesperados estão presos no frio gelado da fronteira Bielorrússia-Polónia, com Varsóvia a acusar a Rússia e a Bielorrússia de os utilizarem para desestabilizar a segurança europeia.

A Alemanha apoia novas sanções da União Europeia contra a Bielorrússia, disse esta quarta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas, acusando o Presidente Alexander Lukashenko de explorar "sem escrúpulos" os migrantes, enviando-os para a Polónia através da fronteira.

"Iremos sancionar todos os envolvidos no contrabando de migrantes", disse Maas num comunicado, acrescentando que a UE irá trabalhar para "alargar e reforçar (...) as sanções contra o regime de Lukashenko".

"Lukashenko deve compreender que os seus cálculos não estão a funcionar", disse.

Milhares de migrantes desesperados estão presos no frio gelado da fronteira Bielorrússia-Polónia, com Varsóvia a acusar a Rússia e a Bielorrússia de os utilizarem para desestabilizar a segurança europeia.

Os europeus acusaram Alexander Lukashenko durante meses de alimentar a crise através da emissão de vistos a migrantes para se vingar das sanções da UE contra o seu país pela sua repressão contra a oposição desde as eleições presidenciais de 2020.

Descrevendo a situação na fronteira da Bielorrússia como "terrível", Maas acusou Lukashenko de lançar uma "perigosa espiral descendente da qual ele não tem escapatória".

Também garantiu que a UE está preparada para agir contra outros países e companhias aéreas envolvidas no transporte de migrantes.

"Ninguém deve ser autorizado a participar impunemente nas atividades desumanas de Lukashenko", disse, avisando que "estamos preparados, enquanto UE, para tirar também as consequências".

O Presidente Lukashenko, um aliado próximo de Moscovo, salientou que o seu país "não se ajoelhará" perante a UE.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de