Fação da Al-Qaida no Iémen felicita taliban pela tomada do poder

O grupo argumenta que a vitória dos taliban no Afeganistão significa "que a 'jihad' [guerra santa] e o combate representam os meios legítimos e reais, com base na 'sharia' (lei islâmica)".

O grupo ligado à Al-Qaida na península arábica (Aqpa) felicitou esta quinta-feira os taliban pela reconquista do poder no Afeganistão e comprometeu-se a continuar a luta no Iémen contra os inimigos do Islão.

"A vitória e a tomada do poder significam que a 'jihad' [guerra santa] e o combate representam os meios legítimos e reais, com base na 'sharia' (lei islâmica), para restabelecer os direitos e expulsar os invasores e os ocupantes", refere um comunicado da fação da Al-Qaida no Iémen.

Enquanto ocuparam o poder no Afeganistão, entre 1996 e 2001, os taliban protegeram os membros da Al-Qaida, o que levou os Estados Unidos a invadir o país na sequência dos atentados contra as Torres Gémeas de Nova Iorque, no dia 11 de setembro de 2001.

O mesmo comunicado do Aqpa refere também que o "jogo da democracia" é uma "miragem enganosa".

A posição da fação da Al-Qaida no Iémen foi retransmitida pelo portal Site, que acompanha as atividades dos grupos 'jihadistas' nas redes sociais.

Os Estados Unidos consideram o Aqpa como a fação mais perigosa da Al-Qaida, tendo efetuado ataques contra os 'jihadistas' no Iémen após os atentados de 11 de setembro.

Na segunda-feira, os combatentes do Aqpa comemoraram a reconquista do poder no Afeganistão pelos taliban com fogo de artifício, de acordo com testemunhas de várias regiões do Iémen citadas pela France Press.

Nas últimas conversações com representantes norte-americanos, os taliban comprometeram-se a não proteger os combatentes da Al- Qaida ou outros grupos terroristas.

As questões relacionadas com a Al-Qaida são um dos pontos que consta da negociação de retirada das forças norte-americanas do Afeganistão, acordada em fevereiro de 2020.

As forças taliban reconquistaram o poder no domingo, proclamando o Emirado Islâmico no mesmo dia em que o então Presidente afegão partiu para o exílio.

Os avanços dos combatentes taliban começaram em maio, altura em que os Estados Unidos iniciaram a retirada das 34 províncias do Afeganistão, tal como estava previsto nos acordos de 2020.

Os combates durante a semana passada concentraram-se sobretudo nas nove províncias do norte do Afeganistão, uma zona de pouca influência taliban, e junto às fronteiras com o Irão e o Paquistão, no sul.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de