Faz 30 anos que os Nirvana tocaram pela primeira vez "Smells Like Teen Spirit". Veja como foi
Crónica

Faz 30 anos que os Nirvana tocaram pela primeira vez "Smells Like Teen Spirit". Veja como foi

Faz no sábado 30 anos. Já no final de um concerto num bar de Seattle, os Nirvana começam a tocar uma música que ninguém tinha ouvido antes. Mesmo assim, instalou-se o pandemónio.

É ainda hoje a música mais famosa da banda de Seattle. Tinha sido composta dias antes. Contam os biógrafos dos Nirvana que Kurt apresentou o tema aos companheiros durante um ensaio e Krist Novoselic, o baixista, apelidou-a de "ridícula".

Kurt Cobain insiste. Os três trabalham na música uma hora e meia até que Novoselic resolve toca-la mais devagar. O baterista, Dave Grohl, alinha e cria o ritmo de bateria.

Encontraram-na.

Chama-se "Smells Like Teen Spirit" e é a única música do álbum "Nevermind" cuja autoria é creditada aos três membros do grupo. Um tema feito poucos dias antes da banda iniciar, na Califórnia, as gravações desse disco.

O concerto no bar "Ok Hotel" terá sido organizado para que o trio tivesse dinheiro suficiente para a gasolina dos quase dois mil quilómetros que separam Seattle de Los Angeles, onde o disco iria ser gravado.

Naquela altura os Nirvana já tinham um álbum editado, "Bleach" de 1989, mas continuavam a ser uma banda desconhecida. Tanto assim que ainda faziam encores.

E foi isso que aconteceu naquela quarta-feira, 17 de abril de 1991. Depois de 16 músicas, Kurt Cobain apresenta aquela que só não foi o último tema da noite, porque nesse tempo, os Nirvana faziam encores.

"Esta música chama-se Smells Like Teen Spirit"

"Esta música chama-se Smells Like Teen Spirit", diz Kurt Cobain que depois ataca a guitarra para apresentar ao mundo aquele que viria a ser o mais famoso riff de guitarra da década de 90.

Segundos depois entra o baixo e a bateria e o público ensaia os primeiros saltos.

Passado uns instantes, tudo acalma. Depois de toda a fúria, Kurt Cobain toca apenas em duas cordas da guitarra, tira delas um dó e fá quase em simultâneo. A bateria mais contida. O baixo também. E no entanto, ambos seguem claramente mais agitados do que aquelas duas notas da guitarra de Kurt parecem pedir.

Os corpos vão-se agitando e as cabeças compreendendo que está ali qualquer coisa. Até o segurança vai abanando a cabeça ao som daquela música.

Aos 54 segundos entra a ponte. Começa a crescer a tensão. Kurt vai dizendo "hello, hello, hello, how low?"

E depois carrega no pedal de distorção e lança-se ao refrão. É um refrão um pouco diferente daquele que ficou gravado em disco. Mas está lá tudo: a guitarra, o baixo, a bateria e a fúria na voz.

Por esta altura, à frente do palco, já estava o caos instalado. As câmeras raramente focam o público, mas de vez em quando há um vislumbre. Ninguém está parado. Há mosh, há quem se lance do palco, há corpos que flutuam sobre as cabeças. Até os dois seguranças estão mais preocupados em abanar a cabeça e olhar para a banda do que manter o público sereno. Como se isso fosse humanamente possível.

Anos depois dessa quarta-feira, o baterista Dave Grohl irá recordar o momento da estreia desta música como o dia em que o público dos Nirvana enlouqueceu. Foi numa entrevista ao USA Today: "a primeira vez que tocamos Smells Like Teen Spirit, o público ficou doido e isso não tinha acontecido antes. Eu não soube o que isso queria dizer. [Antes de a tocar] eu só sabia que do ponto de visto sonoro, esta música iria fazer as pessoas mexerem-se. E fez."

Pois fez. E de que maneira. Basta ver as imagens.

Uma gravação feita por gente que teve a presença de espírito, abnegação até, de em vez de correr para o mosh, ficar a filmar. Três pessoas que filmaram para que, anos depois, todos pudéssemos ver o que ali se passou naquela quarta-feira à noite. Apetece-me agradecer-lhes. Foram uns heróis.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de