Forças especiais britânicas treinaram tropas locais na Ucrânia

Oficiais de dois batalhões estacionados na capital ucraniana e nos arredores confirmam que receberam treino militar de soldados britânicos nas duas últimas semanas.

As forças especiais britânicas treinaram tropas locais em Kiev, na Ucrânia, pela primeira vez desde o início da ofensiva militar lançada em 24 de fevereiro pela Rússia, revelaram comandantes ucranianos ao jornal britânico The Times.

Oficiais de dois batalhões estacionados na capital ucraniana e nos arredores disseram ao jornal que receberam treino militar de soldados britânicos nas duas últimas semanas.

O capitão Yuriy Myronenko, pertencente a um batalhão que está em Obolon, a norte de Kiev, explicou ao The Times que soldados das forças especiais foram instruir novos recrutas a usar mísseis antitanque NLAW - Next generation Light Anti-tank Weapon, fornecidos pelo Reino Unido.

Mas o jornal, citado pela agência noticiosa Efe, ressalva que o Ministério da Defesa em Londres não confirmou esta informação, citando o protocolo que não permite comentar operações especiais.

O The Times destaca ser esta a primeira vez, desde o início da guerra, que se verifica a presença ativa de soldados britânicos em solo ucraniano, já que até agora os treinos eram assegurados por ex-militares ou voluntários, e refere que os soldados do Reino Unido foram para a Ucrânia após a invasão da Crimeia, mas foram retirados em fevereiro para evitar um conflito direto com as forças russas e pela possibilidade de a NATO (aliança do Atlântico Norte) ser arrastada para uma guerra.

A notícia é publicada numa altura de tensão entre a Rússia e o Reino Unido, que tem fornecido armas à Ucrânia e aplicado sanções à Rússia, e no dia em Moscovo proibiu de entrar no país o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e outros 12 altos funcionários por "ações hostis sem precedentes".

"Este passo foi dado em resposta à campanha de informação política desenfreada desencadeada por Londres, que visa o isolamento internacional da Rússia, a criação de condições para conter o nosso país e estrangular a economia nacional", comunicou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia, aquando do anúncio da medida.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase 2.000 civis, segundo dados das Nações Unidas, que alertam para a probabilidade de o número ser maior.

A ofensiva militar foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu enviando armamento para a Ucrânia e aplicando sanções económicas e políticas à Rússia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de