França impõe teletrabalho de pelo menos três dias por semana

A terceira dose da vacina também é antecipada de cinco para três meses.

O Governo francês anunciou esta segunda-feira novas medidas para conter a nova vaga da pandemia, incluindo obrigatoriedade de teletrabalho pelo menos três dias por semana e antecipação da toma da terceira dose da vacina, de cinco para três meses.

O primeiro-ministro, Jean Castex, divulgou as novas medidas, após o Conselho de Ministros ter aprovado um projeto de lei que deve ser validado em janeiro pela Assembleia Nacional francesa.

As medidas aprovadas são mais musculadas, apesar de a França manter o regresso às aulas para 3 de janeiro.

Para o Governo francês, o recolher obrigatório continua a não ser opção, embora estejam previstas restrições para eventos públicos.

Jean Castex, que anunciou as medidas ao lado do ministro da Saúde, Olivier Véran, apontou como objetivo o aumento da taxa de vacinação, atualmente nos 78% da população com pelo menos uma dose, incluindo crianças.

O certificado sanitário vai passar a ser de vacinação e os não vacinados deixam de poder ter acesso a este através de um teste negativo.

Assim, a vacinação será necessária, a partir de 15 de janeiro, para aceder a salas de cinema, teatro ou museus, utilizar transportes públicos ou frequentar cafés.

O governante alertou ainda que as multas para o uso de certificados falsos serão endurecidas, no país onde já foram detetados centenas de milhares de documentos ilegais.

"Esta prática escandaliza-me, como primeiro-ministro e cidadão, é um ato deliberado de colocar outras pessoas em risco", referiu Castex.

As grandes concentrações de pessoas também são preocupação do Governo, sendo que a partir de janeiro haverá limites de duas mil pessoas para eventos em espaços fechados e de cinco mil para eventos ao ar livre.

O consumo em bares, restaurantes e cinemas também será regulamentado, deixando de se poder comer ou beber em pé, para que não seja retirada a máscara nessas situações.

A Covid-19 provocou mais de 5,40 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de