França lembra atentados de 2015. Kamala Harris nas homenagens em Paris

O dia foi assinalado pelo primeiro-ministro francês e pela vice-presidente norte-americana.

Em Paris assinalam-se, este sábado, seis anos dos atentados que causaram 130 mortos. A noite de terror começou no estádio onde se realizava um França-Alemanha. Continuou em bares e restaurantes de vários pontos da cidade e acabou na casa de espetáculos Bataclan, onde morreram 89 pessoas.

O dia foi assinalado pelo primeiro-ministro francês e pela vice-presidente norte-americana. Jean Castex e Kamala Harris depositaram flores num café que foi atacado e no Stade de France. Em frente ao Bataclan, sobreviventes e familiares das vítimas ouviram os nomes de cada uma das pessoas mortas durante um concerto.

Os ataques de três grupos distintos de jihadistas do Estado Islâmico, na noite de 13 de novembro de 2015, foram os piores em França desde a II Guerra Mundial. No ano passado as homenagens públicas à tragédia foram canceladas devido à pandemia de Covid-19.

"No ano passado não nos deixaram vir e foi muito difícil para todos", recordou Bruno Poncet, um dos sobreviventes do ataque ao Bataclan.

O julgamento, o maior da história jurídica moderna de França, deverá durar até maio de 2022. Vinte arguidos enfrentam penas de prisão que podem ir até prisão perpétua, incluindo Salah Abdeslam, um cidadão franco-marroquino que foi capturado em Bruxelas e é o único agressor que não foi morto pela polícia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de