Governo britânico notificado de substituição do embaixador em Myanmar

O diplomata foi afastado por ter pedido publicamente a libertação da líder eleita, Aung San Suu Kyi, condenando o golpe de estado militar.

O Governo britânico foi notificado pelas autoridades do Myanmar (antiga Birmânia) de que o embaixador do país em Londres, que se queixou de ter sido trancado fora da embaixada, foi afastado, anunciou esta quinta-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O Reino Unido deve, portanto, aceitar a decisão do Governo de Myanmar (antiga Birmânia) em relação a Kyaw Zwar Minn, cujo substituto não foi ainda anunciado, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, enfatizando que a posição de longa data é reconhecer Estados e não governos.

O diplomata foi afastado por ter pedido publicamente a libertação da líder eleita, Aung San Suu Kyi, que foi detida pela junta militar que tomou o poder em 1 de fevereiro, tendo sido impedido de entrar na embaixada na quarta-feira à noite por diplomatas leais ao novo regime.

"Eles disseram que receberam instruções da capital, então não me vão deixar entrar", disse ao jornal ao Daily Telegraph, chamando a ação de "golpe".

Depois de esperar em vão em frente à porta da representação, Kyaw Zwar Minn passou a noite no carro, cujo vidro traseiro exibia uma grande foto da chefe do governo civil.

A junta militar já tinha ordenado o regresso do embaixador em Londres no mês passado.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Dominic Raab, disse condenar "as ações de intimidação do regime militar de Myanmar" e prestou "homenagem a Kyaw Zwar Minn pela sua coragem".

"O Reino Unido continua a pedir o fim do golpe e da violência horrível, e uma rápida restauração da democracia", acrescentou, numa menagem publicada na rede social Twitter.

O Reino Unido já sancionou vários oficiais da junta militar, incluindo o comandante do exército, Min Aung Hlaing, presidente do Conselho Administrativo de Estado e autoridade máxima em Myanmar, pelo papel no golpe militar.

A junta militar tem reprimido de forma violenta as manifestações diárias que pedem o regresso da democracia e a libertação de antigos líderes.

Cerca de 600 civis, incluindo perto de 50 crianças e adolescentes, foram mortos desde o golpe de Estado, indicou a Associação de Assistência aos Presos Políticos (AAPP).

O número pode ser mais elevado, ressalvou a AAPP, estimando que cerca de 2.700 pessoas foram detidas, muitas sem acesso a advogados, não existindo contacto com as famílias.

Tanto os observadores internacionais como a comissão eleitoral deposta pela junta militar após a tomada do poder negaram a existência de irregularidades, apesar da insistência de alguns comandantes do Exército, cujo partido detém 25% dos lugares no parlamento birmanês.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de