Governo francês promete flexibilidade na aplicação do certificado de saúde

O ministro francês da Saúde assegurou que "um teste negativo será válido durante 72 horas e não 48 horas para pessoas não vacinadas". Outro dos exemplos de "flexibilização" avançados por Véran diz respeito à possibilidade de as pessoas virem a "realizar autotestes supervisionados por um profissional de saúde, para além dos testes rápidos de antigénio e PCR".

O ministro francês da Saúde, Olivier Véran, garantiu numa entrevista a ser publicada no domingo que haverá flexibilidade na aplicação do certificado de saúde Covid-19, que será alargado esta segunda-feira a restaurantes, comboios e muitos outros locais.

Obrigatório desde o final de junho no acesso a locais culturais e recreativos, como cinemas, salas de concertos e parques temáticos, a obrigatoriedade da apresentação de um código QR com um calendário de vacinação completo, um teste Covid-19 negativo ou a recuperação certificada da doença é estendida em França a restaurantes, viagens de longa distância ou mesmo aos hospitais.

A partir de agora, "um teste negativo será válido durante 72 horas e não 48 horas para pessoas não vacinadas", disse o ministro na entrevista concedida ao jornal Le Parisien.

De acordo com estimativas do Ministério francês da Administração Interna, 237 mil pessoas saíram este domingo à rua em várias cidades em toda a França, pelo quarto fim de semana consecutivo, em protesto contra a imposição do certificado de saúde.

Outro dos exemplos de "flexibilização" avançados por Véran diz respeito à possibilidade de as pessoas virem a "realizar autotestes supervisionados por um profissional de saúde, para além dos testes rápidos de antigénio e PCR. Também estes testes serão válidos por 72 horas".

O certificado não será necessário para uma visita a um médico de clínica geral, disse o ministro. Em contrapartida, "será necessário nos hospitais, mas, em caso algum, deve ser um obstáculo ao acesso a cuidados úteis e urgentes", afirma ainda.

O alargamento da imposição dos certificados de saúde Covid-19 recebeu "luz verde" do Tribunal Constitucional francês na quinta-feira.

França regista diariamente mais de 21 mil novos casos confirmados de contaminação pelo vírus SARS-CoV-2, numa pronunciada tendência de subida desde há um mês, e mais de 112 mil pessoas já morreram por causas associadas à Covid-19. Perto de 66% da população francesa recebeu, pelo menos, uma dose de vacina contra a Covid-19.

Mais de 36 milhões de pessoas em França - 54% da população - estão totalmente vacinadas. Pelo menos sete milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina depois da imposição do certificado Covid-19, anunciado por Macron a 12 de julho.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de