Governo aceita voos de repatriamento de companhias brasileiras para Portugal

O Governo admite que a suspensão de voos entre Brasil e Portugal se possa prolongar no tempo, pelo que os cidadãos portugueses, mas também cidadãos estrangeiros com residência em território nacional, poderão vir a ser incluídos em viagens de repatriamento.

Com base no princípio da reciprocidade, e porque o Governo brasileiro autorizou a realização de voos humanitários, a secretária de Estado das Comunidades adianta à TSF que o Executivo português já fez saber que está disponível para autorizar as companhias aéreas brasileiras a realizar para Portugal voos idênticos aos da TAP.

Berta Nunes fala de perto de 200 casos de cidadãos portugueses, mas há também cidadãos estrangeiros com residência em território nacional - "esses são até mais do dobro dos cidadãos portugueses". O direito de voltar é compreendido pelo Governo, que inclui também na lista dos prioritários casos como estes.

"Nós já manifestámos às autoridades brasileiras a nossa disponibilidade para viabilizar voos das companhias brasileiras, porque há várias pessoas que têm bilhetes da Azul e da Latam." Só poderão viajar nesse voo portugueses ou estrangeiros com residência em Portugal, com os critérios até agora utilizados para inclusão nas viagens.

Quanto ao próximo voo, sob a responsabilidade da TAP, o avião que transportará também cidadãos brasileiros ou com residência no Brasil que queiram embarcar, partirá de Lisboa a 10 de março, e viajará de São Paulo para Lisboa no dia 11.

Os consulados continuam a registar as manifestações de interesse e analisarão as prioridades, mas, para este voo, já foram transmitidas à TAP as listas. A companhia aérea já está a estabelecer contacto com as pessoas desde quarta-feira. "É importante dizer que grande parte dos cidadãos que querem regressar tem bilhetes da TAP, e por isso não terá de pagar nenhum adicional pelo regresso." Caso os cidadãos não tenham já adquirido bilhete, terão de pagar o definido para o primeiro voo.

O voo de repatriamento ainda não está cheio, mas Berta Nunes acredita que os lugares serão preenchidos, uma vez que, só com bilhetes da TAP, já há mais de 300 pessoas.

Trata-se de um voo "semelhante" ao primeiro, com lotação para 300 pessoas, pelo que se espera que algumas fiquem de fora.

A secretária de Estado admite que as proibições de voos para e a partir do Brasil vão continuar vigentes durante mais algum tempo. "Esta situação da variante de Manaus pode não ficar resolvida nos próximos tempos, e pode ser necessária a prorrogação desta decisão de fechar o espaço aéreo. Se isso acontecer, é muito provável que tenhamos de organizar mais voos."

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de