Igreja oficial chinesa e Vaticano escolhem primeiro bispo em conjunto

China e Vaticano romperam os laços diplomáticos em 1951, depois de Pio XII excomungar os bispos designados pelo Governo chinês. Um acordo, anunciado em outubro de 2018, deu ao papa o direito de escolher entre os candidatos apresentados pela igreja chinesa.

A igreja católica chinesa anunciou esta quarta-feira a nomeação do primeiro bispo em conjunto com o Vaticano, desde o acordo que, no ano passado, terminou mais de sete décadas de antagonismo entre Pequim e Santa Sé.

Matteo Bruni, porta-voz do Vaticano, confirmou em comunicado que a ordenação de Anthony Yao Shun, de 54 anos, pertence à diocese de Ulanqab, na região autónoma da Mongólia Interior, é a "primeira a ocorrer no âmbito do Acordo Interino entre a Santa Sé e a República Popular da China".

China e Vaticano romperam os laços diplomáticos em 1951, depois de Pio XII excomungar os bispos designados pelo Governo chinês. Os católicos chineses dividiram-se então entre duas igrejas: a Associação Católica Patriótica Chinesa, aprovada por Pequim, e a clandestina, que continuou fiel ao Vaticano.

Nos últimos anos, a maior divergência residia na nomeação dos bispos. O Vaticano insistia no seu direito de nomear os bispos, visando preservar a sucessão apostólica que remonta aos apóstolos de Jesus Cristo.

A China considerava a exigência do Vaticano uma violação da sua soberania.

O acordo, anunciado em outubro de 2018, deu ao papa o direito de escolher entre os candidatos apresentados pela igreja chinesa, que está sob controlo do Partido Comunista.

Na celebração do acordo, o papa Francisco aceitou reconhecer a ordenação de sete bispos nomeados anteriormente sem consentimento papal pelo Governo chinês. No entanto, a questão dos bispos reconhecidos pelo Vaticano, mas não por Pequim, não foi resolvida, com dois bispos da igreja clandestina a serem obrigados a afastarem-se.

Segundo o jornal chinês Global Times, a igreja local enfrenta uma escassez de bispos, que se deverá agravar devido à avançada idade de muitos dos bispos. Um terço das 98 dioceses do país não tem bispo, detalhou o jornal.

Apesar do acordo, as relações entre a Santa Sé e Pequim continuam voláteis. Em junho passado, o Vaticano pediu à China que não persiga os católicos que ainda optam por rezar em igrejas clandestinas.

O Vaticano é também o único Estado europeu que continua a reconhecer Taiwan como uma entidade política soberana, apesar da pressão de Pequim para reunificar a ilhar, se necessário através da força.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de