Interferência dos EUA? Parlamento canadiano investiga financiamento de protestos antivacinas

Há suspeitas de que este movimento esteja a ser financiado por contribuições dos EUA e de outros países.

O Parlamento canadiano aprovou uma moção para investigar a origem de milhões de dólares doados através do website GoFundMe ao movimento antivacinação e aos grupos radicais que têm bloqueado o centro de Ottawa durante quase uma semana.

Os deputados canadianos querem que os executivos do GoFundMe compareçam perante um comité da Câmara dos Comuns e expliquem "o mais rapidamente possível" os detalhes das doações, que totalizam 10 milhões de dólares canadianos (6,9 milhões de euros).

Alguns deputados manifestaram suspeitas de que o protesto, que é considerado ilegal pela cidade de Otava, está a ser financiado por contribuições dos EUA e de outros países.

Entre aqueles que ofereceram o seu apoio aos protestos antivacinas em Otava estão o ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump e o empresário Elon Musk.

Os protestos começaram durante o fim de semana, quando milhares de pessoas vieram a Otava para expressar a sua oposição às medidas de contenção da pandemia no Canadá.

Desde então, grupos antivacinas e radicais bloquearam as ruas em redor do Parlamento canadiano com camiões e outros veículos.

O Presidente da Câmara de Otava, Jim Watson, e grupos de bairro acusaram os manifestantes antivacinação de terem assediado os residentes da cidade e causado graves problemas.

Os manifestantes disseram que não abandonarão o seu protesto até que todas as medidas anti-Covid-19 sejam removidas.

Na quarta-feira, o Chefe da Polícia de Otava, Peter Sloly, avisou que a situação está para além da capacidade de ação da polícia e disse que o exército poderá ser necessário.

Tanto o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, como a ministra da Defesa, Anita Anand, disseram que o Governo canadiano não tem qualquer intenção de utilizar as forças armadas do país para pôr fim ao protesto.

Anand disse no Twitter que "as forças armadas canadianas não são uma força policial" e que não há planos de destacamento em Otava.

Pela sua parte, Trudeau disse durante uma conferência de imprensa que "neste momento, ninguém pediu" o destacamento das forças armadas e que "não está a ser contemplado neste momento".
LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de