Abusava da anestesia para depois salvar os pacientes. Médico é suspeito da morte de 9 pessoas

Um médico francês é acusado de utilizar material de anestesia que não era seu para simular situações de emergência e surgir como herói nas cirurgias. Frédéric Péchier é suspeito de ter envenenado 24 pessoas. Nove acabaram por morrer.

Um médico francês está a ser, uma vez mais, investigado pelo envenenamento de 17 pessoas. Frédéric Péchier, anestesista, já tinha sido anteriormente alvo de investigação em outros sete casos de envenenamento. No total, das 24 pessoas afetadas pela ação do médico, nove morreram. E estes são só os casos que já chegaram à justiça.

Os procuradores destacados para esta investigação desconfiam de que o suspeito tenha deliberadamente utilizado o material de anestesia de colegas, de forma a criar uma emergência e mostrar as suas capacidades.

Péchier nega todas as acusações, mas pode enfrentar prisão perpétua se for considerado culpado, de acordo com a BBC . Um dos seus advogados, Jean-Yves Le Borgne, referiu à agência de notícias francesa AFP que a investigação não conseguiu provar nada.

"Existe a possibilidade de que o Dr. Péchier tenha cometido estes envenenamentos, mas não passa de uma hipótese", advertiu o seu representante legal. "A presunção de inocência deve ser preservada", enfatizou ainda.

Um juiz da cidade de Besançon, no leste do país, colocou Péchier, de 47 anos, sob investigação em maio de 2017, no caso dos sete envenenamentos. O médico foi, nessa altura, impedido de praticar medicina.

Esta semana, Péchier foi novamente interrogado pela polícia, devido a 66 casos de paragem cardíaca durante cirurgias em pacientes considerados de baixo risco. As acusações mais recentes envolvem pacientes com idade entre os quatro e os 80 anos.

O procurador Etienne Manteaux contou à imprensa local que Frédéric Péchier foi "o denominador comum" de todos os casos, e que se encontrava em situação de conflito aberto com os colegas.

"Ele foi frequentemente encontrado perto da sala de cirurgia" aquando das ocorrências, defendeu Manteaux. O anestesista terá feito então um rápido diagnóstico para determinar que ação tomar, "para que ninguém suspeitasse de uma overdose de potássio ou da anestesia local", segundo o procurador.

Os advogados de Péchier acusaram a polícia de adulterar as declarações do interrogatório inicial do arguido.

"Seja qual for o desfecho de tudo isto, a minha carreira acabou", declarou o médico em conferência de imprensa. "Ninguém confia num médico que, a determinada altura, foi rotulado como um envenenador. A minha família está devastada e eu temo pelos meus filhos", salientou o acusado.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de