Alterações climáticas. "A realidade do mundo é pior do que as piores previsões"

António Guterres denuncia que muitos Estados não estão a cumprir as promessas feitas em Paris, porque perderam a vontade política.

António Guterres alerta que as metas sobre as alterações climáticas definidas no Acordo de Paris já não são suficientes. "Se forem cumpridas, chegaremos ao final do século com mais três graus, o que é uma catástrofe absoluta", salienta o secretário-geral

Durante uma viagem ao Quénia e a Moçambique, o secretário-geral das Nações Unidas lembrou, em entrevista à RTP , que a maior ameaça ao planeta é o aquecimento global e lamentou a falta de vontade política e a ausência de sanções para os países incumpridores. "Mesmo o que foi prometido em Paris não está a ser cumprido por muitos Estados, o que cria uma situação paradoxal."

No tratado que foi assinado há quatro anos por 195 países, ficou definido que as temperaturas não podem aumentar mais do que dois graus celsius até ao final do século, uma meta que já está ultrapassada. "Tudo indica que as coisas estão piores do que o que se pensava. Toda a realidade do mundo é pior do que as piores previsões feitas", frisou Guterres.

"A vontade política esmoreceu depois de Paris", considerou o secretário-geral da ONU.

Guterres admitiu ainda que é preciso rever o poder de veto dos membros permanentes das Nações Unidas. "Não é fácil convencer os Estados-membros, e sobretudo os que hoje têm uma posição mais privilegiada", analisou, em declarações à RTP.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de