Aquecimento global pode custar 80 milhões de empregos até 2030

A Organização Internacional do Trabalho antevê que daqui a 11 anos se percam 2,2% do total de horas de trabalho, devido às altas temperaturas e ao aumento do "stress térmico".

O aquecimento global e o respetivo impacto nos níveis de produtividade em diversos setores da atividade económica, como a agricultura ou a indústria, poderá levar à perda de 80 milhões de empregos até 2030, alertou esta segunda-feira a ONU.

Num relatório divulgado esta segunda-feira, a Organização Internacional do Trabalho (OIT, agência da ONU especializada em questões relacionadas com o trabalho) antevê que nessa data, ou seja, daqui a 11 anos, 2,2% do total de horas de trabalho no mundo inteiro possam ser dadas como perdidas por causa das altas temperaturas sentidas e ao consequente aumento do "stress térmico".

O impacto do "stress térmico" será maior no Sudeste Asiático e na África Ocidental, onde cerca de 5% das horas de trabalho poderão ser encaradas então como pouco produtivas, acrescentou o mesmo relatório intitulado "Trabalhar num planeta mais quente: o impacto do stress térmico na produtividade do trabalho e do trabalho decente".

Em termos totais, e à escala mundial, as perdas económicas poderão chegar até aos 2,4 biliões de dólares (2,1 biliões de euros).

"É aproximadamente o equivalente à economia do Reino Unido", afirmou Catherine Saget, coautora do relatório, em declarações à imprensa e citada pelas agências internacionais.

Segundo explicou a OIT, o "stress térmico" ocorre quando são registados níveis altos de calor aos quais os corpos das pessoas não conseguem tolerar sem sofrer qualquer tipo de dano fisiológico. Por exemplo, precisou a agência da ONU, quando ocorrem temperaturas superiores aos 35 graus Celsius com uma forte humidade.

"O impacto do 'stress térmico' na produtividade do trabalho é uma consequência grave das alterações climáticas", afirmou Catherine Saget.

"Podemos esperar que as desigualdades aumentem entre os países de alto rendimento e os países de baixo rendimento, que as condições laborais se deteriorem para os mais vulneráveis, bem como aumentem os deslocamentos de populações", advertiu a especialista.

Os setores de atividade mais expostos a este fenómeno são a agricultura, que emprega 940 milhões de pessoas no mundo inteiro e deve representar 60% das horas de trabalho perdidas até 2030, e a construção civil, com uma perda de produtividade na ordem dos 19%.

Apesar das regiões do Sudeste Asiático e da África Ocidental serem previsivelmente as mais afetadas com vagas de calor, Nicolas Maitre, economista da OIT, realçou que a Europa também não será poupada.

"Devemos esperar mais e mais períodos como aquele que ocorreu recentemente, cada vez mais frequentes e cada vez mais intensos", declarou Nicolas Maitre.

Na última semana, uma vaga de calor afetou vários países europeus, como Espanha, França, Itália ou Alemanha, com o registo de temperaturas recorde superiores a 45 graus Celsius, como ocorreu no território francês, e de cerca de uma dezena de mortos.

De forma a prevenir os riscos do "stress térmico", a OIT encoraja "a criação de infraestruturas adequadas e melhores sistemas de alerta precoce durante os episódios de calor muito intenso".

Os apelos para reforçar a ação climática a nível mundial são constantes, nomeadamente ao nível das Nações Unidas, a fim de alcançar o objetivo do Acordo de Paris, nomeadamente os esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de