A ETA morreu? Último membro e líder histórico detido em França

O ex-chefe político da ETA José Antonio Urrutikoetxea Bengoechea foi detido em França pela Guarda Civil espanhola em colaboração com a Direção-Geral de Segurança francesa.

José Antonio Urrutikoetxea Bengoechea, ou Josu Ternera, como é conhecido, estava fugido desde novembro de 2002, apesar de organização separatista basca ETA ter anunciado oficialmente, há um ano, a sua dissolução total e o fim da sua atividade política, depois de dezenas de anos de atentados em que fez mais de 800 vítimas mortais.

O líder histórico do grupo terrorista permaneceu na organização durante meio século, e esteve envolvido em praticamente todas as funções orgânicas e estratégicas, segundo a publicação El País.

A organização foi fundada em 1959, durante a ditadura de Francisco Franco, e fez uma série de atentados em Espanha e em França em nome da independência do País Basco espanhol e francês, assim como da região espanhola de Navarra.

A ETA já tinha renunciado à violência em 2011, e entregado em 2017 aquilo que assegurou serem as suas últimas armas.

A dissolução da ETA significou o fim do último dos grandes grupos terroristas europeus, que, muito antes do jihadismo islâmico, lançaram ataques em todo o continente, principalmente nos anos setenta e oitenta do século passado.

Continuar a ler