Durante 60 anos um pedaço de Stonehenge decorou uma parede. Agora, foi devolvido

Cilindro de pedra com cerca de um metro de comprimento estava desaparecido, mas ninguém sabia. Agora, "regressou a casa".

Um fragmento de pedra retirado de Stonehenge foi devolvido, 60 anos depois de ter sito retirado do monumento megalítico em Inglaterra. Ninguém sabia onde estava, mas a verdade é que ninguém estava à procura.

Tudo começou em 1958, quando uma equipa de arqueológicas decidiu reerguer um trilito - estrutura composta por duas grandes pedras verticais que suportam uma terceira pedra colocada horizontalmente no topo.

Durante os trabalhos descobriu-se que uma das pedras verticais estava rachada, pelo que se achou melhor reforça-la. Foram feitas três perfurações com 32 centímetros de diâmetro e inseridas hastes metálicas no interior da pedra. Os buracos foram depois tapados com fragmentos descobertos durante as escavações.

Um dos cilindros de pedra removidos para introdução da estrutura de metal, com cerca de um metro, foi levado para casa por um dos trabalhadores da Van Moppes, a empresa contratada para a obra. Não disse a ninguém que o tinha feito, mas ninguém se questionou a propósito.

Robert Phillips, de 89 anos, protegeu o cilindro com um tubo de plástico e pendurou-o na parede, primeiro no seu escritório em Basingstoke, Inglaterra, depois em todas as casas onde viveu nos Estados Unidos - em Richmond, Nova Iorque, Chicago, Illinois, e por fim num empreendimento para a terceira idade, na Florida, Estados Unidos.

Na véspera do seu 90.º aniversário, o britânico decidiu devolver parte desse pedaço de pedra.

Conta a BBC que os dois filhos de Robert Phillips viajaram para Stonehenge em maio do ano passado, mas a English Heritage, entidade responsável pela preservação do monumento, só divulgou a história agora, uma vez que queria analisar a autenticidade e relevância da pedra.

Os arqueólogos esperam que a análise da composição química do cilindro devolvido possa contribuir para desvendar a origem das pedras, que podem ser provenientes de vários locais diferentes.

Isto porque a amostra está "incompativelmente intocada", ao contrário das pedras de Stonehenge, expostas às condições atmosféricas.

"A última coisa que esperávamos era receber um telefonema de alguém nos EUA a dizer que tinha uma parte de Stonehenge", brinca Heather Sebire, curadora da English Heritage. "Estamos muito gratos à família Phillips por permitirem o regresso a casa esta intrigante pedaço de Stonehenge."

Não se sabe onde estão os dois outros cilindros, se tiveram destinos semelhantes ou desapareceram para sempre. A English Heritage apela a quem saiba do seu paradeiro para contactar a instituição.

Considerado património mundial da Unesco, Stonehenge é visitado por mais de um milhão de turistas anualmente. Apenas nos solstícios de verão e de inverno, no entanto, se permite o acesso dos visitantes ao anel formado pelas pedras do conjunto arqueológico com 3.500 anos.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de