Eleições na Turquia: partido de Erdogan alega roubo de votos em debate histórico

Imamoglu, que chegou a tomar posse como presidente da câmara até o anulamento das eleições de 31 de março, garante que não é apenas Istambul que está em causa na repetição do escrutínio, mas a democracia no país.

Há quase duas décadas que os turcos não viam um debate na televisão entre candidatos dos dois principais partidos político. Quando os turcos ligaram a televisão na noite de domingo, não viram apenas o rosto familiar de İsmail Küçükkaya, um dos mais mediáticos jornalistas do país, mas começaram também a assistir a um momento histórico.

Desde 2002 - quando o atual presidente, Tayyip Erdogan, foi eleito, na altura como primeiro-ministro - que não se realizavam debates televisivos.

Os candidatos às eleições deste ano debateram durante três horas, com uma troca de acusações constante.

Ekrem Imamoglu, que chegou a tomar posse como presidente da câmara até que a Comissão Eleitoral decidiu anular as eleições de 31 de março, garante que não é apenas Istambul que está em causa na repetição do escrutínio, mas a democracia no país.

"Esta nova eleição em 2019 é um combate pela democracia", começa por dizer Imamoglu. "Esta não é apenas uma eleição local. Eu fui legitimamente eleito presidente da Câmara. Levantei o certificado e estive 18 dias como presidente em exercício."

Imamoglu venceu as eleições com apenas 14 mil votos de vantagem, e o partido no poder, AKP, alega a existência de irregularidades nas mesas de voto. Binali Yildirim, antigo primeiro-ministro e agora a escolha de Erdogan para a autarquia, insiste também que houve roubo de votos.

"Estou muito seguro que nestas eleições os votos foram roubados. É por isso, senhor Ismail, que queríamos muito que estes votos fossem recontados. Mas infelizmente, porque enfrentámos resistência, isso não foi possível", defende Binali Yildirim.

Um debate televisivo para o município é uma ocorrência invulgar, mas estas eleições têm mais relevância do que aparentam. Istambul tem 15 milhões de habitantes, e representa mais de 30% da economia do país. Por isso, muito do futuro político da Turquia pode vir a passar por aqui.

A repetição das eleições em Istambul está agendada para o próximo domingo, dia 23.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de