Espanha alerta sobre perigo dos produtos de carne La Mechá

Os produtos referenciados são "chincharrón" andaluz (gordura de porco frita), lombo de Jerez, lombo com pimentão, e lombo caseiro temperado com pimentão, da marca La Mechá.

O Ministério da Saúde espanhol recomendou esta quinta-feira à população para não consumir os produtos de carne embalada da marca La Mechá, que está na origem do surto de listeriose e que afeta sobretudo a Andaluzia, no sul do país.

O Ministério da Saúde aconselhou igualmente as pessoas que já consumiram os produtos da marca La Mechá a consultar os serviços médicos caso apresentem algum sintoma de terem sido afetados pela bactéria (listeriose).

Os produtos referenciados são "chincharrón" andaluz (gordura de porco frita), lombo de Jerez, lombo com pimentão, e lombo caseiro temperado com pimentão, da marca La Mechá.

Todos os produtos embalados identificados pelo Ministério da Saúde foram distribuídos na Andaluzia e em Madrid, exceto o lombo caseiro temperado com pimentão que foi comercializado apenas na Andaluzia.

O alerta é uma medida de precaução na sequência do surto de listeriose que continua a aumentar com 150 casos confirmados, na maioria localizados na Andaluzia, após o consumo da carne contaminada, mas há mais de 500 casos suspeitos que ainda estão a ser analisados.

A Agência Espanhola de Consumo, Segurança Alimentar e Nutrição (Aesan), tutelada pelo Ministério da Saúde, emitiu esta quinta-feira a recomendação e atualizou os números sobre os consumidores afetados.

A informação da Aesan foi difundida em todas as comunidades autónomas espanholas sendo que a Comunidade Autónoma de Madrid foi avisada sobre a distribuição dos produtos em causa na região e que devem ser retirados.

O mesmo organismo refere que podem verificar-se situações de "contaminação cruzada", através da mistura com outros alimentos e, por isso, pede especial atenção às pessoas que consumiram os produtos mencionados.

Entretanto, a Direção Geral de Saúde Pública da Junta da Andaluzia está a realizar testes a outros produtos da empresa Magrudis, de Sevilha, que produz os embalados de carne La Mechá.

Em Portugal, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária esclareceu na quarta-feira que a carne contaminada com a bactéria Listeria monocytogenes da marca La Mechá e os produtos com origem no fabricante (Magrudis) espanhol, não são comercializados em território português.

Em comunicado, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária explica que está a acompanhar a evolução do surto de listeriose detetado a 15 de agosto na Andaluzia, em Espanha, e esclarece que o alerta emitido pelo RASF, Sistema de Alerta Rápido para a Segurança Alimentar na União Europeia, indica que o produto contaminado com Listeria monocytogenes foi distribuído e comercializado exclusivamente em Espanha.

Na mesma nota as autoridades portuguesas referem que os operadores do setor alimentar que operam em Portugal não comercializam a marca La Mechá, nem produtos com origem no fabricante (Magrudis).

Em Portugal, a listeriose é uma doença de notificação obrigatória desde 2014, através do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE).

A listeriose é uma infeção causada pela bactéria Listeria monocytogenes, habitualmente associada ao consumo de alimentos contaminados.

A Direção Geral de Alimentação e Veterinária alerta os viajantes que tenham como destino as regiões de Madrid e Andaluzia, para a necessidade de adoção de medidas preventivas, nomeadamente a eliminação de produtos da marca que eventualmente possam ter adquirido.

A maioria dos casos confirmados de pessoas afetadas na Andaluzia estão localizados em Sevilha, Huelva, Málaga e Granada.

Outras comunidades também relataram casos associados ao surto, como as Astúrias, especificamente em Gijón, e na Extremadura, onde quatro pessoas foram diagnosticadas com a bactéria por terem consumido produtos em Sevilha e Huelva.

Na Catalunha, também há casos confirmados da mesma família, que consumiu o produto de carne adquirido por um membro da família na Andaluzia.

Em Madrid, foram registados cinco casos, quatro pessoas que comeram carne da empresa andaluza.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de