Exploradores mergulham até ao lugar mais profundo do oceano e encontram... um saco de plástico

O fundo do oceano é o local mais desconhecido do planeta. É por isso que, quando imaginamos este lugar oculto e misterioso, a nossa mente voa para cenários de criaturas maravilhosas e tesouros escondidos. Mas a realidade no fundo do mar parece ser muito menos fantasiosa - e tudo devido à ação do Homem.

Victor Vescovo, um explorador norte-americano de 53 anos, mergulhou quase 11 quilómetros naquele que se acredita ser a submersão mais profunda alguma vez feito pelo Homem.

No dia 1 de maio, o explorador percorreu 10.927 metros até ao fundo da Depressão Challenger, o ponto mais baixo da superfície terrestre, situado na Fossa das Marianas - só para ter uma ideia da dimensão, a profundidade desta fossa é superior à altura do Monte Evereste, a mais alta montanha da Terra.

E o que foi que Victor encontrou no fundo do mar? Para começar, quatro novas espécies de seres vivos - que, alega o explorador, podem oferecer pistas sobre as origens da vida na Terra.

Mas aquilo que mais o impressionou foi outra descoberta. No ponto mais profundo da superfície de todo o planeta, Victor encontrou... um saco de plástico. E papéis de rebuçados.

Trata-se de um sinal inequívoco dos efeitos da ação humana - que, até nos lugares mais recônditos do planeta, já está a ter consequências severas.

A missão da expedição em que Victor Vescovo participou (e que está a ser filmada para o Discovery Channel) é, com recurso a sonares, mapear ao detalhe os locais mais profundos dos oceanos - além da Fossa das Marianas, no Oceano Pacífico, são eles: a Fossa de Porto Rico, no Oceano Atlântico, a Fossa Sanduíche do Sul, no Atlântico-Sul, a Fossa de Java, no Oceano Índico, e a Depressão Molloy, no Oceano Ártico.

Mas para lá da pesquisa científica, Vescovo afirma, em declarações à CNN , que o seu objetivo passava também por "testar os limites do esforço humano".

"Acredito que ir até ao extremo é um inclinação natural do Homem", defendeu o explorador. "Há uma parte maravilhosa da natureza humana que nos faz querer ir além dos nossos limites, foi isso que levou a nossa espécie até ao lugar onde está hoje".

Terá sido essa parte da natureza humana que o levou a desafiar-se a si mesmo e a atingir o recorde do mergulho mais profundo alguma vez feito. O recorde anterior era detido pelo realizador do filme "Titanic", James Cameron", que, em 2012, também mergulhara até às profundezas da Fossa das Marianas.

Continuar a ler