Jeremy Hunt desafia Boris Johnson a explicar desavença conjugal

Jeremy Hunt, candidato à sucessão de Theresa May, criticou, ainda, o rival por não esclarecer quais são os seus planos para o 'Brexit' e para o Governo.

O candidato à liderança do partido Conservador Jeremy Hunt desafiou esta segunda-feira o rival Boris Johnson a enfrentar a comunicação social e esclarecer as circunstâncias de uma alegada desavença com a namorada, noticiada na imprensa britânica.

"Não sejas um cobarde, Boris, ganha coragem e mostra ao país que consegues enfrentar o intenso escrutínio que envolve o trabalho mais difícil deste país", escreveu hoje no jornal The Times.

O atual ministro dos Negócios Estrangeiros quer que o seu antecessor aceite participar num debate televisivo na terça-feira à noite e critica Boris Johnson por não estar a dar entrevistas para esclarecer quais são os seus planos para o 'Brexit' e para o Governo.

Mas implícito está um repto para que explique o aconteceu na sexta-feira à noite, quando a polícia foi chamada por vizinhos da namorada, a antiga assessora do partido Carrie Simmons, após escutarem gritos e o arremesso de objetos.

Em resposta ao The Guardian, o primeiro jornal a noticiar o incidente, a polícia confirmou que tinha visitado a morada e confirmado que os ocupantes estavam bem, não tendo sido feita qualquer queixa.

A relação entre ambos já tinha sido motivo de notícia em setembro do ano passado, quando se soube que Boris Johnson confirmou que ia divorciar-se da mulher.

Os pormenores e consequências da discussão têm dominado as primeiras páginas dos jornais nos últimos dias, aumentando a pressão sobre o favorito para suceder a Theresa May à frente do partido e, consequentemente, à frente do governo britânico.

Esta segunda-feira, a deputada conservadora Priti Patel, em declarações à BBC Radio 4, alegou que a notícia teve "motivos políticos" e que está em curso uma campanha para difamar o candidato que ela apoia.

Boris Johnson e Jeremy Hunt foram escolhidos pelo grupo parlamentar do partido Conservador como finalistas para a eleição do novo líder do partido, na sequência da renúncia da primeira-ministra, Theresa May.

O antigo 'Mayor' de Londres venceu destacado a sexta volta da eleição, com 160 dos 313 votos, mais do dobro dos 77 conseguidos por Hunt.

Ambos iniciaram no sábado uma campanha que envolve a participação em 16 comícios-debate com militantes em diferentes partes do país.

O vencedor será eleito através do voto postal dos cerca de 160 mil militantes do partido e anunciado no final de julho.

Theresa May mantém-se em funções, devendo apresentar a demissão logo que o sucessor esteja definido, abrindo caminho para a sua nomeação como primeiro-ministro.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de