Macron considera 'backstop' ao Brexit indispensável, mas admite alternativa

Angela Merkel acredita que "é possível um acordo, um bom acordo".

O Presidente francês, Emmanuel Macron, reiterou que o 'backstop' é "indispensável", mas admitiu que "em 30 dias" pode chegar-se a uma solução para a fronteira irlandesa, ouvindo do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que há "soluções técnicas disponíveis".

Boris Johnson, recebido em Paris pelo chefe de Estado francês, voltou a assegurar perante a imprensa que quer um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e que, "grandemente encorajado" pelo encontro que manteve na quarta-feira com a chanceler alemã, Angela Merkel, acredita que "é possível um acordo, um bom acordo".

Macron reafirmou por seu lado que ninguém na UE quer o Brexit, mas frisou que há que "respeitar o que foi negociado" e que o mecanismo de salvaguarda que visa evitar a imposição de uma fronteira física na Irlanda "é indispensável" para "preservar a estabilidade na Irlanda" e "a integridade do mercado único".

Johnson assegurou que o seu governo "não quer reimpor controlos na fronteira" entre a Irlanda, membro da UE, e a Irlanda do Norte, província britânica, e assegurou que há "soluções técnicas facilmente disponíveis" para evitar o 'backstop', que mantém o Reino Unido alinhado com as regras do mercado comum até ser assinado um acordo de comércio livre entre o país e a UE.

Emmanuel Macron admitiu que é possível encontrar uma solução alternativa "em 30 dias", afirmando que, "no quadro do que foi negociado, há um trabalho que pode ser feito" e notando que não levará "a um acordo de saída muito diferente do que existe".

"Estou, como a chanceler Merkel, confiante que a inteligência coletiva e a vontade de construir nos podem permitir encontrar qualquer coisa inteligente nos próximos 30 dias, se houver boa vontade de um lado e do outro, e é nisso que quero acreditar", disse Macron.

O chefe de Estado francês frisou, por outro lado, que o que ele e Merkel dizem é que é precisa "clareza nos próximos 30 dias", uma vez que "ninguém vai esperar por 31 de outubro para encontrar a solução", a data prevista para o Brexit.

Angela Merkel, que recebeu Boris Johnson em Berlim na quarta-feira, afirmou que o 'backstop' "é a expressão de um problema que não está resolvido", pelo que, "a partir do momento em que o problema seja resolvido, deixa de ser necessário", o que, assegurou, pode ser feito em "30 dias".

"Trata-se de definir as futuras relações entre a UE e o Reino Unido e entre a Irlanda e a Irlanda do Norte. É algo que podemos levar dois anos para resolver, mas também podemos resolver em trinta dias", acrescentou.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de