Piratas marítimos no Golfo da Guiné atacam dois navios e raptam 17 pessoas

Os ataques foram levados a cabo "com algumas horas de intervalo".

Nove marinheiros chineses e oito ucranianos foram raptados na quinta-feira em dois navios comerciais ao largo dos Camarões, provavelmente por piratas nigerianos, avançou esta sexta-feira a agência France-Presse (AFP), citando uma fonte dos serviços marítimos dos Camarões.

O ataque aos dois navios comerciais, um deles um porta-contentores, é o último episódio de um conjunto de ataques nesta região, que demonstra que o Golfo da Guiné é um dos mais perigosos do mundo, disse à AFP o diretor do centro de informações sobre pirataria do Departamento Marítimo Internacional da Câmara de Comércio Internacional, sedeado em Kuala Lumpur, Noel Choong.

Os dois barcos foram 'ancorados' em Douala, segundo o responsável, que afirmou que os ataques foram levados a cabo "com algumas horas de intervalo".

O primeiro ataque envolveu um "navio polivalente detido por uma empresa alemã" que ostentava a bandeira de Antígua e Barbuda, acrescentou Choong, apontando que "oito pessoas de uma tripulação de 12 marinheiros asiáticos e europeus foram raptados".

O segundo alvo dos piratas, concluiu, era um navio de contentores de bandeira liberiana pertencente a um armador grego, que levava 21 pessoas a bordo, todas asiáticas, das quais nove foram sequestradas.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de