Quem é quem na Comissão liderada por von der Leyen?

A futura presidente da Comissão Europeia quer "a UE a liderar a transição para um planeta saudável e um novo mundo digital", prometendo "ações ousadas contra as alterações climáticas, construindo uma parceria com os Estados Unidos", sem esquecer as relações com o exterior.

"Definiremos as nossas relações com uma China mais auto-afirmativa e seremos um vizinho confiável, por exemplo, para a África", promete von der Leyen, esperando que a nova equipa seja capaz de "defender os nossos valores e padrões a nível mundial".

Entre as prioridades do futuro executivo comunitário, Ursula von der Leyen nomeia as "alterações climáticas, tecnológicas e demográficas", que pressionam as "nossas sociedades e modo de vida".

Mas quem é a equipa que, de acordo com a expectativa da futura presidente, "moldará o rumo europeu"?

No topo, o colégio de comissários será composto por três vice-presidentes executivos, que "terão uma dupla função", sendo responsáveis por cada um dos três tópicos principais da agenda e, simultaneamente, comissários.

1 - O vice-presidente executivo Frans Timmermans, da Holanda coordenará os trabalhos do Acordo Verde Europeu, bem como a gestão da política de ação climática, com o apoio da Direção Geral de Ação Climática.

2 - A vice-presidente executiva Margrethe Vestager, da Dinamarca, vai coordenar a agenda "numa Europa adaptada à era digital", acumulando com as funções de comissária da concorrência, em articulação directa com a Direção-Geral da Concorrência.

3 - O letão e vice-presidente executivo Valdis Dombrovskis será o coordenador da pasta "uma economia que funciona para as pessoas", e ao mesmo tempo comissário para Serviços Financeiros, trabalhando com a Direção-Geral de Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e União dos Mercados de Capitais.

O futuro Colégio de comissários contará com oito vice-presidentes, que vão determinar "as prioridades das diretrizes políticas". Serão os vice-presidentes a orientar o trabalho "nas questões mais importantes, como o Acordo Verde Europeu, uma Europa adequada à era digital, uma economia que trabalha para as pessoas, protegendo o nosso modo de vida europeu, uma Europa mais forte no mundo e um novo impulso pela democracia europeia".

Quem são os outros cinco vice-presidentes?

O atual ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros, Josep Borrell vai ficar responsável por concretizar na prática o slogan "uma Europa mais forte no Mundo", através do qual, a futura presidente da Comissão Europeia designa o cargo de Alto Representante para a Política Externa para que está designado.

A ainda comissária da Justiça, a checa Věra Jourová ficará responsável pela área dos "Valores e Transparência", da qual dependerá directamente a pasta da Justiça, abrangendo ainda tópicos como o Estado de Direito.

O antigo porta-voz da Comissão Europeia, o grego Margaritis Schinas responsável pela pasta da "Proteção do nosso modo de vida europeu", lidando, por exemplo, com a área de imigração e fronteiras.

O eslovaco que é actualmente vice-Presidente da Comissão Juncker, Maroš Šefčovič será o titular da pasta das "Relações Interinstitucionais e Providência";

A futura comissária Dubravka Šuica, a eurodeputada Croata, ficará com o dossier da "Democracia e Demografia", liderarando os trabalhos da parte da Comissão, na Conferência sobre o Futuro da Europa.

A restante equipa de Ursula Von der Leyen será composta por mais 18 membros, entre os quais consta o nome de Elisa Ferreira. Foi deputada do Parlamento Europeu deste 2014, tendo saído em 2016, para ser Vice-Governadora do Banco de Portugal, cargo que ocupará até à entrada em funções do futura Comissão. Elisa Ferreira foi também ministra do Planeamento e ministra do Ambiente. Ficará na liderança da "Coesão e Reformas".

O austríaco Johannes Hahn será responsável pelo "Orçamento e Administração", ficando na dependência directa da presidente da Comissão, Ursula von der Leyen.

O atual ministro belga dos Negócios Estrangeiros, Didier Reynders, aproveitará a sua formação em Direito, para liderar a pasta da Justiça, acumulando com o tópico do Estado de Direito. Em anteriores governos, Reynders foi ministro das Finanças, e ministro da Defesa.

A atual comissária búlgara Mariya Gabriel cessa funções na pasta da Energia e Digital e ficará responsável pelo dossier da Inovação e Juventude.

Stella Kyriakides é uma psicóloga médica "com muitos anos de experiência na área de assuntos sociais, saúde", que substituirá o lituano Vytenis Andriukaitis, enquanto a comissário da Saúde.

A Estónia assegura a pasta da Energia, com a liderança do antigo deputado e ministro de Assuntos Económicos e Infraestruturas, Kadri Simson.

Jutta Urpilainen foi ministra das Finanças e deputada no parlamento finlandês. Mas é o seu trabalho "como enviada especial à Etiópia", que merece destaque para lhe ser entregue a pasta das Parcerias Internacionais.

França continua sem chegar a ter uma vice-presidência da Comissão, mas a antiga eurodeputada Sylvie Goulard será comissária do Mercado Interno, liderando o trabalho do executivo na política industrial, e na promoção do Mercado Único Digital. Também será responsável pela nova Direção-Geral da Indústria e do Espaço de Defesa.

László Trócsányi é o ex-Ministro da Justiça da Hungria, que vai liderar a política de Vizinhança e Alargamento.

Phil Hogan é o atual comissário da Agricultura, que vai passar para a pasta do Comércio.

O ex-primeiro-ministro italiano e ministro de Relações Externas, Paolo Gentiloni (Itália) vai liderar a pasta da Economia.

Virginijus Sinkevičius tem 28 anos, é ministro da Economia e Inovação na Lituânia, será responsável pelo Ambiente e Oceanos.

A pasta do Emprego será entregue ao luxemburguês Nicolas Schmit, antigo eurodeputado, e antigo ministro do Emprego.

Helena Dalli, de Malta, foi ministra do Diálogo Social, Defesa do Consumidor e Liberdades Civis, e também como ministra dos Assuntos Europeus e da Igualdade, ai liderar o dossier da Igualdade.

O polaco Janusz Wojciechowski foi membro do Parlamento Europeu, na comissão de Agricultura. Atualmente é membro do Tribunal de Contas Europeu. Vai gerir a maior fatia do orçamento comunitário, na pasta da Agricultura.

Rovana Plumb, eurodeputada e ex-ministra nacional do Meio Ambiente e Alterações Climáticas, ministra do Trabalho, ministra dos Fundos Europeus, ministra da Educação e ministra dos transportes, na Roménia. Ficará com a pasta dos Transportes.

Janez Lenarčič é um diplomata esloveno. Foi Secretário de Estado dos Assuntos Europeus e será responsável pela pasta da Gestão de Crise.

Ylva Johansson é ministra sueca do Emprego. Foi ministra das Escolas e ministra da Saúde e Assistência à Pessoa Idosa e membro do Parlamento sueco. Na equipa de von der Leyen ficará responsável pelos Assuntos Internos.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de