Vereador e filho mortos a tiro no Brasil

Primeiras indicações apontam para um assalto, mas autoridades não excluem a possibilidade de outras motivações.

Um vereador e o seu filho foram mortos a tiro nesta madrugada na sua casa, em Maricá, cidade de pouco mais de 150 mil habitantes, a cerca de 60 quilómetros do Rio de Janeiro, na chamada região dos lagos.

Ismael Breve Marins, de 59 anos, e o filho, o advogado Thiago Marins, terão sido vítimas de um assalto, segundo as primeiras indicações da polícia. No entanto, dada a função de vereador de Ismael, do DEM, um partido de direita, os agentes não excluem ainda outro tipo de motivações.

Já este ano, dois jornalistas que se empenhavam em noticiar acontecimentos políticos de Maricá foram assassinados.

No dia 25 de maio, Robson Giorno, de 45 anos, dono do jornal "O Maricá", foi baleado perto de sua casa e morreu dois dias depois. Ele era filiado ao partido Avante e tinha a intenção de se candidatar a presidente da câmara nas próximas eleições.

Fundador do site Lei Seca Maricá, o jornalista Romário Barros, de 31 anos, foi morto com três tiros, no bairro de Araçatiba, em Maricá, a 18 de junho.

Outro político da cidade, deputado estadual Fillipe Poubel, do PSL, de Bolsonaro, foi advertido pela polícia para reforçar a segurança. Um relatório do órgão apontou "risco alto" de ele ser vítima de execução ou sequestro praticados por organização criminosa. Isso porque, assim como os jornalistas, Poubel usa as redes sociais para denunciar supostas irregularidades e políticos da região.

Em relação ao crime de hoje os homens invadiram a casa e entraram no quarto de Thiago, o filho. O pai, Ismael, para o proteger interveio e foi morto também. Diz a polícia que o crime ocorreu às 3.40 da manhã, eram 7.40 em Portugal.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de