Itália supera pela primeira vez os 30 mil contágios diários de Covid-19

Trata-se de um aumento sem precedentes de casos que coincide com o maior número de testes de diagnóstico realizados, 215 085, quando em Itália já foram infetadas 647 674 pessoas desde o início da crise sanitária

A Itália registou 31 084 infeções com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, o maior aumento detetado durante a pandemia, e 199 pessoas morreram no mesmo período, anunciou esta sexta-feira o Ministério da Saúde.

Trata-se de um aumento sem precedentes de casos que coincide com o maior número de testes de diagnóstico realizados, 215 085, quando em Itália já foram infetadas 647 674 pessoas desde o início da crise sanitária, em meados de fevereiro.

A morte de 199 pessoas desde quinta-feira segue em linha com a tendência da semana passada e aumenta o saldo de óbitos para 38 321.

Atualmente, estão ativos 325 786 casos com a Covid-19, dos quais a grande maioria está em casa com sintomas leves ou nenhum sintoma.

No entanto, a pressão sobre os hospitais continua a crescer, e preocupa as autoridades: esta sexta-feira estão 18 740 doentes internados (mais 1125 que no dia anterior) e 1746 necessitando de cuidados intensivos (mais 95).

A região mais afetada continua a ser a Lombardia, com 8960 novos casos, a maior parte na capital, Milão, sendo esta uma das áreas onde devem ser aplicadas novas medidas restritivas para combater a pandemia.

Em seguida, vem a Campânia (sul), com 3186 novos casos, e, no norte, Veneto (3012) e Piemonte (2719), todos também sob a atenção das autoridades.

Tudo parece indicar que a Itália caminha para um cenário em que medidas como confinamentos leves e circunscritos a certas cidades ou regiões não estão descartadas, embora até ao momento não haja anúncios oficiais.

O Governo ainda aguarda a avaliação dos efeitos do último decreto do passado domingo, com o qual encerrou teatros, cinemas, salas de espetáculos, ginásios e piscinas e limitou a abertura de bares e restaurantes até às 18h00.

Embora o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, sempre tenha defendido evitar um novo confinamento total, os meios de comunicação social antecipam que, se a tendência não mudar, medidas como as que estão a ser aplicadas na Alemanha e em França poderão ser tomadas até ao final da próxima semana.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 45,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de