Jornalista bielorrusso detido aparece em vídeo a fazer "confissão"

Jornalista e 'blogger', Roman Protasevich, de 26 anos, é um dos principais opositores do regime presidido por Aleksandr Lukashenko, desde que era adolescente.

O jornalista e opositor do regime da Bielorrússia Roman Protasevich, que está detido desde domingo, disse segunda-feira que está a colaborar com as autoridades e a "fazer uma confissão", através de um vídeo transmitido pela televisão pública bielorrussa.

"As autoridades comportaram-se comigo de forma totalmente adequada e respeitando a lei, continuo a colaborar com os investigadores e a fazer uma confissão a respeito da organização de distúrbios massivos", disse Protasevich, através de um vídeo em que falava sentado, em frente a uma mesa, para a câmara.

Para a pretendida detenção, Lukashenko forçou o desvio de um avião comercial da Ryanair para Minsk, que voava desde Atenas (Grécia) para a capital da Lituânia, Vílnius.

O delito mais recente da vítima de Lukashenko foi ter sido diretor dos Telegram Nexta e Nexta Live, que foram decisivos na organização dos protestos contra o dirigente do regime de Minsk depois das eleições presidenciais fraudulentas de agosto de 2020 e para a denúncia da repressão violenta das manifestações pacíficas.

Desde novembro que Roman Protasevich era considerado um "terrorista" pelas autoridades bielorrussas.

Exilado na Lituânia, Protasevich é perseguida na Bielorrússia por "organização de tumultos massivos", um crime punível com até 15 anos de prisão.

Os ocidentais e os críticos do regime de Lukashenko denunciaram o desvio da aeronave, que foi classificado, inclusive, como "terrorismo do Estado".

Vários países ocidentais e elementos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), incluindo Portugal condenaram o desvio do avião e a detenção de Protasevich.

O espaço aéreo foi interditado a aviões bielorrussos e deverão ser aplicadas sanções.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de