Jornalista e ativista bielorrussa organiza manifestação em Lisboa

Katerina Droja denuncia a marcha violenta das autoridades militares e de grupos paramilitares em Minsk.

Jornalista bielorrussa que vive em Lisboa, Katerina Droja uma está a organizar uma manifestação anti-Lukashenko para esta quarta-feira, na Praça do Rossio, em Lisboa, pelas 19h00.

A jornalista assume-se como ativista da oposição ao Presidente bielorrusso, e denuncia a situação vivida no país do leste europeu desde a noite das eleições.

"Há três mil pessoas presas, os hospitais cheios de pessoas com corpos danificados (...), três pessoas já morreram", denuncia Katerina Droja. "Lukaschenko anunciou que tinha ganhado as eleições com 80% e ele enviou as forças armadas e militantes - milícias civis ao serviço do presidente - contra os protestantes pacíficos", conta.

A ativista afirma que é quase impossível sair ou entrar na cidade de Minsk.

"Esta noite e amanhã vão acontecer manifestações", considera. Há ainda greves organizadas para as grandes fábricas do país, para além dos contactos internacionais para alertar para a situação no país.

A Bielorrússia vive uma situação de tensão depois das eleições deste domingo terem dado uma vitória clara a Alexander Lukashenko, que lidera o país desde a queda da União Soviética.

Nas ruas, houve manifestações de grande dimensão, a julgar pelos três mil detidos. A TSF contactou várias fontes dentro e fora da Bielorrússia, que confirmam a morte de três pessoas. Há ainda centenas de feridos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de