Justiça brasileira arquiva acusação contra Lula da Silva por corrupção na Costa Rica

Decisão foi tomada por não haver elementos suficientes para continuar a investigação e porque alguns dos crimes em causa já prescreveram.

A justiça brasileira arquivou uma investigação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por supostos crimes de corrupção e tráfico de influência na Costa Rica, informou esta segunda-feira a defesa do antigo chefe de Estado.

A decisão foi tomada pela magistrada Maria Carolina Ayoub, de São Paulo, e representou uma nova vitória na Justiça do ex-presidente, que já reverteu duas condenações contra si por corrupção e tem conseguido encerrar outros processos criminais por suspeitas da mesma natureza por falta de provas.

Em comunicado, os advogados de Lula da Silva, Cristiano Zanin Matins e Valeska Teixeira Martins frisaram que a decisão "acolheu pedido" apresentado "na defesa do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva para determinar o trancamento de mais uma investigação infundada relacionada ao seu nome".

Esta foi a 19ª. decisão favorável a Lula da Silva dos advogados que atuam na defesa do ex-presidente brasileiro desde 2016.

O arquivamento do processo também abre o caminho para uma possível candidatura à Presidência de Lula da Silva em outubro de 2022, para as quais as sondagens de opinião o colocam como favorito, à frente do atual Presidente, Jair Bolsonaro, seu maior adversário político.

Neste caso, Lula da Silva foi acusado de influenciar dirigentes da Costa Rica para que fechassem negócios com a construtora brasileira OAS, uma das empresas envolvidas nos escândalos desvendados pela operação Lava Jato, que investigou crimes na Petrobras e outros órgãos públicos do país.

Os eventos teriam ocorrido em 2011, quando Lula da Silva já não era Presidente do Brasil.

A investigação baseou-se principalmente no depoimento do ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro e também chegou ao então presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto.

No entanto, a juíza responsável por analisar o caso arquivou o processo por, por um lado, não haver elementos suficientes para dar continuidade à investigação e, por outro, alguns dos crimes que se poderiam configurar já terem prescrito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de