Kosovo abre oficialmente a sua embaixada em Jerusalém

O Kosovo torna-se assim o primeiro país de maioria muçulmana a reconhecer Jerusalém como a capital do Estado hebreu.

O Kosovo abriu oficialmente uma embaixada na cidade disputada de Jerusalém, reconhecendo-a de facto como a capital de Israel, anunciou este domingo o Ministério dos Negócios Estrangeiros kosovar.

A representação diplomática foi aberta com uma breve cerimónia durante a qual a bandeira do Kosovo foi içada diante do edifício da embaixada e uma placa identificativa com as palavras "República do Kosovo", em albanês, hebraico e inglês, fixada na entrada, precisou o Ministério num comunicado.

Em troca do reconhecimento da sua independência por Israel, o Kosovo tornou-se o primeiro país de maioria muçulmana a reconhecer Jerusalém como a capital do Estado hebreu.

A decisão de Pristina provocou críticas, não apenas de países de maioria muçulmana, como a Turquia, que denunciou uma violação das resoluções da ONU e do direito internacional, mas também da União Europeia (UE).

A questão de Jerusalém e do seu estatuto continua a ser um dos pontos mais sensíveis do conflito israelo-palestiniano.

A Autoridade Palestiniana quer que Jerusalém Oriental, ocupada por Israel na guerra dos Seis Dias em 1967 e depois anexada, seja a capital de um futuro Estado palestiniano.

Num quadro de reconhecimento mútuo, Israel reconheceu oficialmente o Kosovo, antiga província sérvia que proclamou em 2008 a sua independência, como um Estado independente, juntando-se assim à maioria dos países ocidentais e abandonando o grupo que inclui a Sérvia, a China e a Rússia.

O Kosovo e Israel estabeleceram relações diplomáticas em fevereiro.

Com mais de duas décadas, insolúvel desde a última das guerras que destruíram a ex-Jugoslávia (1998-99), o conflito entre a Sérvia e o Kosovo continua a ser uma ameaça para a estabilidade da Europa.

Os acordos de normalização concluídos em 2013 sob os auspícios da UE são, na sua maioria, ignorados.

A guerra do Kosovo causou mais de 13.000 mortos, na maioria albaneses. Terminou quando uma campanha de bombardeamentos ocidentais obrigou as forças sérvias a retiraram-se do território.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de