Kremlin anuncia que sírios podem voluntariar-se para combater na guerra

Para a Rússia, o envio de combatentes estrangeiros para a Ucrânia justifica-se porque, de acordo com o porta-voz do Kremlin, o Ocidente também facilita a ida de "mercenários" para a Ucrânia.

A Presidência russa disse, esta sexta-feira, que os cidadãos sírios podem voluntariar-se para combater as forças ucranianas, na sequência da aprovação de um mecanismo que facilita o envio de combatentes voluntários para zonas de conflito na Ucrânia.

"Aqueles que querem, que pediram [para ir lutar] são cidadãos do Médio Oriente, sírios", disse o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, citado pelo porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

A Rússia tem fornecido apoio militar considerável ao regime sírio desde o outono de 2015, apoiando as suas forças tanto contra as da oposição quanto contra as dos 'jihadistas', o que permitiu manter o poder de Bashar al-Assad, que agora controla a maior parte da Síria.

Para o Kremlin, o envio de combatentes estrangeiros para a Ucrânia justifica-se porque, de acordo com o porta-voz, o Ocidente também facilita a ida de "mercenários" para a Ucrânia para apoiar as forças locais desde que a Rússia lançou uma vasta ofensiva militar, em 24 de fevereiro.

"Se o mundo ocidental está tão entusiasmado com a chegada de vários e variados mercenários, então, do nosso lado, também temos voluntários que querem participar", avisou Peskov, explicitando que não se trata de enviar combatentes voluntários russos.

Esta manhã, o Presidente Putin ordenou que seja facilitado o envio de combatentes "voluntários" para a Ucrânia, como resposta ao que disse ser a colocação pelo Ocidente de "mercenários" naquele país.

"Quando se percebe que as pessoas querem ir para lá voluntariamente, não por dinheiro, e ajudar aqueles que vivem em Donbass [leste da Ucrânia], tem de se ir ao seu encontro e ajudá-los a chegar à zona de combate", disse Vladimir Putin, em resposta a uma proposta do seu ministro da Defesa.

Segundo o Presidente, a situação torna-se perfeitamente justificada quando "os padrinhos ocidentais do regime ucraniano nem disfarçam" e reúnem abertamente "mercenários de todo o mundo para os enviar para a Ucrânia".

A Ucrânia anunciou a criação de uma legião de estrangeiros voluntários integrados nas suas forças armadas para combater as forças russas no seu território.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 516 mortos e mais de 900 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de 2,5 milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de