Líder dos golpistas na Guiné-Conacri quer Governo de unidade e recusa caça às bruxas

O comité criado pelos golpistas assegura "parceiros económicos e financeiros da continuação normal das atividades no país".

O líder dos golpistas na Guiné-Conacri prometeu nesta terça-feira criar um "Governo de unidade nacional" para liderar um período de "transição" política e assegurou que não haverá "caça às bruxas" contra o antigo Governo.

"Será aberta uma consulta para descrever as grandes linhas da transição, depois será instituído um governo de unidade nacional para liderar a transição", disse o tenente-coronel Mamady Doumbouya num discurso, sem especificar a duração da consulta ou da transição.

Doumbouya transmitiu ainda uma mensagem aos parceiros e investigadores estrangeiros de que os novos líderes da Guiné-Conacri iriam manter os seus compromissos e pediu às empresas mineiras que continuassem as suas atividades, neste país que é um importante produtor de bauxite e minério.

O comité criado pelos golpistas assegura "parceiros económicos e financeiros da continuação normal das atividades no país", disse Mamady Doumbouya num discurso.

E acrescentou: "O comité assegura aos parceiros que respeitará todas as suas obrigações."

Os golpistas capturaram o Presidente Alpha Condé e dissolveram as instituições de Estado do país no passado domingo. Foi instituído um recolher obrigatório noturno, e a constituição do país e a Assembleia Nacional foram ambas dissolvidas.

A junta militar recusou-se a revelar quando pretende libertar Condé, mas assegurou que o Presidente deposto, com 83 anos, tem acesso a cuidados médicos e aos seus médicos.

A CEDEAO apelou à libertação imediata de Alpha Condé e ameaçou impor sanções, se esta exigência não vier a ser satisfeita.

Mamady Doumbouya anunciou num vídeo divulgado após o golpe a criação de um "Comité Nacional de Agrupamento e Desenvolvimento", com o objetivo de "iniciar uma consulta nacional para abrir uma transição inclusiva e pacífica".

A alegada tentativa de golpe de Estado foi já condenada pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), que exigiu também a "imediata" e "incondicional" libertação do Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, e o mesmo fez a União Africana e também a França.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, também já condenou "qualquer tomada de poder pela força das armas".

A Guiné-Conacri, país da África Ocidental que faz fronteira com a Guiné-Bissau e é um dos mais pobres do mundo e enfrenta, nos últimos meses, uma crise política e económica, agravada pela pandemia de Covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de