Líder pró-russo de Donetsk lidera em Mariupol desfile do Dia da Vitória

Denis Pushilin carregou, juntamente com militares e alguns cidadãos, uma grande bandeira com as cores preto e laranja da fita de São Jorge, um símbolo militar amplamente reconhecido na Rússia.

O líder separatista da autoproclamada República de Donetsk encabeçou esta segunda-feira um desfile em Mariupol para assinalar o Dia da Vitória soviética sobre a Alemanha nazi e disse que esta cidade ucraniana será para sempre parte da região pró-Rússia.

Denis Pushilin carregou, juntamente com militares e alguns cidadãos, uma grande bandeira com as cores preto e laranja da fita de São Jorge, um símbolo militar amplamente reconhecido na Rússia, e gritando "Hurrah!", como pode ver-se num vídeo publicado pelo canal independente bielorrusso Nexta Live.

Falando a partir de Mariupol, captado pela agência oficial russa TASS, o líder pró-russo de Donetsk, vestido com um casaco cinzento com a letra "Z", símbolo da campanha militar russa na Ucrânia, disse que "a Rússia está aqui [nesta cidade] para sempre".

"Finalmente a cidade está em casa. É agora território da República Popular de Donetsk para sempre. Ninguém pode tirar-nos isso. Temos força, temos oportunidades, temos o apoio do maior e mais bonito país: a Rússia", disse aos residentes de Mariupol.

Segundo Pushilin, a autoproclamada República de Donetsk, território ucraniano que foi reconhecido como independente pelo Presidente russo, Vladimir Putin, poucos dias antes de lançar a sua campanha militar na Ucrânia, enfrenta agora a tarefa de recuperar o controlo dos seus territórios, e decidirá então sobre o seu futuro.

"Assim que chegarmos às fronteiras constitucionais da República Popular de Donetsk, estas são as fronteiras da antiga região de Donetsk, tomaremos a próxima decisão. Mas as pessoas devem ter uma palavra a dizer. Vamos chegar a isso. Só não nos adiantamos", afirmou.

"Agora a principal tarefa é libertar todas as nossas terras, começar a reconstruir cidades", declarou o líder independentista.

Em 21 de abril, a Rússia declarou como controlada pelas suas forças aquela cidade portuária sitiada, onde mais de 90% das infraestruturas foram destruídas pela ofensiva militar russa.

No entanto, há ainda um último reduto da resistência ucraniana com um número indeterminado de defensores entrincheirados na siderúrgica Azovstal.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de