Macron pede mais rapidez na aplicação do Acordo de Paris

O Presidente de França realçou a urgência de "transformar o sistema financeiro global" para apoiar projetos sustentáveis e, dessa forma, "colocar as finanças ao serviço do clima".

O Presidente francês, Emmanuel Macron, pediu esta quinta-feira mais celeridade na aplicação do Acordo de Paris no combate às alterações climáticas, bem como um sistema de regulação de emissões de carbono que seja "claro e mensurável".

Na sua intervenção na Cimeira do Clima, organizada pelos Estados Unidos, em formato virtual, Macron cumprimentou o Presidente norte-americano, Joe Biden, pelo "regresso" do seu país à luta contra as alterações climáticas e pela decisão do seu Governo de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa para metade até 2030.

O Presidente francês recordou os seus contactos recentes com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o Presidente chinês, Xi Jinping, para dizer que nessas conversas os três concordaram em que este é "um combate comum" e que todos devem estar empenhados no seu sucesso.

Para tal, disse Macron, será preciso um "plano de ação preciso, claro, mensurável e verificável", destacando os esforços nesse sentido que têm sido feitos pela União Europeia.

O Presidente de França também destacou a urgência de "transformar o sistema financeiro global" para apoiar projetos sustentáveis e, dessa forma, "colocar as finanças ao serviço do clima".

Nesse sentido, Macron lembrou que a França vai organizar uma cimeira sobre o financiamento sustentável das economias africanas no dia 18 de maio, em Paris, salientando a importância de alargar o combate contra as alterações climáticas aos diversos continentes.

Assim, explicou Macron, é fundamental "uma regulamentação à escala internacional", que permita acelerar todo o processo.

"O ano de 2030 é o novo 2050", disse o Presidente francês, referindo-se à aceleração do cronograma de redução de emissões de gases de efeito estufa.

Macron também expressou a sua satisfação com a decisão dos Estados Unidos de aderir à Emenda Kigali ao Protocolo de Montreal, para a redução de gases de efeito estufa, lembrando que também a China está alinhada com esta estratégia.

"Também será conveniente lutarmos juntos para reduzir as emissões de metano. E estamos a avançar nesse sentido", concluiu o Presidente francês.

"Inovação, transformação e regulação" são, segundo Macron, as palavras-chave para o combate às alterações climáticas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de